Viana do Castelo

Alunos do IPVC de Viana fazem a diferença na vida de pessoas institucionalizadas

(c) Direitos reservados
Partilhe esta notícia!

O Programa U.DREAM, com duração de um semestre, está a ser desenvolvido no Instituto Politécnico de Viana do Castelo (IPVC) com a participação de 13 estudantes. Com o objetivo de desenvolver competências de liderança social e comunitária em estudantes de ensino superior, o programa tem como objetivo também ajudar a realizar sonhos de pessoas da comunidade. Alunos estão a adorar a experiência junto de várias instituições do concelho de Viana do Castelo e querem continuar a fazer voluntariado, até porque sentem que já estão “a fazer a diferença”.

A U.DREAM é “um programa educativo que desenvolve competências de liderança social em estudantes do ensino superior capacitando-os para Servir, Inspirar e Sonhar”, explica o diretor executivo da U. DREAM, Diogo Cruz, assegurando que “o objetivo é aproximar os jovens, futuros pais e profissionais, dos problemas das suas comunidades”.

O projeto pretende, de acordo com o diretor executivo, “responsabilizar os jovens enquanto os ajuda a compreender as suas paixões e competências para que mais tarde possam continuar a transformar as comunidades, seja enquanto engenheiros, cientistas, gestores ou professores”.
Neste momento, 13 estudantes do IPVC estão a desenvolver o seu processo de capacitação, que assenta em quatro pilares. “Temos a participação em experiências sociais imersivas, onde os nossos estudantes realizam um mínimo de 20 horas de serviço em variadíssimos problemas sociais da comunidade onde estão envolvidos academicamente”, adianta o diretor executivo da U.DREAM.
Outro dos pilares incrementado pelos estudantes neste processo são os workshops de desenvolvimento de competências de liderança comunitária, que são 10 por semestre, onde “os estudantes constroem o seu plano pessoal e profissional de impacto na comunidade”.
O terceiro pilar deste processo de capacitação envolve projetos pessoais de liderança comunitária, que “são concretizados com um auxílio de ferramentas de apoio ao desenvolvimento de liderança comunitária, onde os estudantes acedem a um conjunto de ferramentas que lhe acelera e consolida a construção de um plano de impacto social para o seu futuro”, evidencia ainda Diogo Cruz.
E, por fim, o sonho. “Os nossos estudantes, divididos por equipas, concretizam os sonhos de pessoas da sua comunidade, em parceria com várias entidades e organizações locais que acabam por apadrinhar estes super-heróis do dia-a-dia”, conta o diretor executivo, destacando que os estudantes têm formação que lhes permite acompanhar e impactar os diferentes públicos-alvo onde realizam o seu voluntariado e concretização de sonhos.
Neste momento, os estudantes do IPVC já fizeram as visitas iniciais a três pessoas que vão ver os seus sonhos realizados. A D. Ermelinda, que é utente inserida no Centro de Dia do Centro Social Paroquial de Deão, a Irmã Clotilde, que tem 88 anos e vive em Subportela com uma irmã idosa, e a jovem Teresa Daniela, que vive em contexto institucional no Berço, onde aguarda integração numa instituição especializada para o autismo, são as vianenses que vão ver os seus sonhos realizados.
Para a realização destes Sonhos da Comunidade, os estudantes têm-se dedicado semanalmente às formações de transformação pessoal, tendo participado já em 14 horas formativas. “Até agora foram abordadas temáticas como a Felicidade, como podemos tornar as nossas relações interpessoais mais saudáveis e significativas, como podemos inspirar as pessoas da nossa vida (familiares e amigos) a servirem também a comunidade, quais são os problemas do mundo e dedicamos tempo também a compreender melhor como é que cada um, individualmente, poderá ser uma solução transformadora para determinado problema social”, sublinha.
Todos os jovens têm um mínimo de 20 horas formativas ao longo do semestre, divididas por três áreas de impacto pessoal e comunitário que são, na verdade, a base da a metodologia científica do programa: O “Eu”, o “Eu com os Outros” e o “Eu na Comunidade”. “Estamos a falar de 10 sessões com duração de duas horas e que abordam temas como a Felicidade, o Autoconhecimento, a Descoberta, a Responsabilização, a Gratidão, a Empatia, a Aceitação e a Expectativa, mas também abordam quais são os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS’s), quais os problemas sociais mais relevantes da sua comunidade, assim como qual a sua Causa Social e qual a sua Missão Social”, informa ainda Diogo Cruz.
A prestação de serviço tem sido “uma constante” ao longo destas semanas também. “Nestas últimas semanas a nossa Comunidade recebeu 123 horas de voluntariado em diferentes problemáticas sociais urgentes. Os jovens dedicaram 31 horas a combater a pobreza, as dificuldades socioeconómicas e o desperdício alimentar através do Banco Alimentar Contra a Fome de Viana do Castelo e da Refood Viana do Castelo, sete horas a trabalhar junto dos mais novos na Associação Terra, 33 horas a apoiar crianças e jovens institucionalizados na Casa dos Rapazes e Oficinas de São José e no Berço de Nossa Senhora das Necessidades, 26 horas a criar projetos de vida mais sustentáveis junto de pessoas em situação de sem-abrigo com a Methamorphys e 26 horas a animar o dia da população mais idosa do Centro de Dia Paróquia N.ª S.ª de Fátima”, conta, orgulhoso, Diogo Cruz.

“Conseguir um sorriso de um sem-abrigo foi a melhor experiência que tive”

Sara Marçôa é aluna do 3.º ano de Turismo da Escola Superior de Tecnologia e Gestão (ESTG) do IPVC. A fazer voluntariado pela primeira vez, a aluna da ESTG-IPVC está “muito feliz” com a experiência e quer continuar a fazer voluntariado. “A temática de ajudar as pessoas e tentar mudar o mundo foi o que me chamou a atenção no programa U.DREAM”, revela a aluna, confessando que foi atraída também pelo facto de ter a oportunidade de ajudar a realizar o sonho de alguém.
Os projetos da Methamorphys, do centro de dia e do Banco Alimentar Contra a Fome de Viana do Castelo foram os escolhidos de Sara Marçôa para começar “esta aventura” pelo voluntariado. “Conseguir um sorriso de um sem-abrigo, que está a ser acompanhado pelo projeto Methamorphys, depois de ele contar a sua história de vida foi a melhor experiência que tive até agora”, confidencia a jovem, admitindo que já recebeu mais do que deu nestes primeiros tempos como voluntária do programa U.DREAM. Além disso, Sara Marçôa também está a trabalhar com o objetivo de concretizar o sonho de Teresa, uma menina autista.
Entretanto, Francisca Lima, a frequentar o 2.º ano da Licenciatura em Gestão da ESTG-IPVC, também está a participar pela primeira vez neste programa. “Esta era uma experiência que queria avançar há algum tempo e surgiu agora a oportunidade”, confessa a aluna, admitindo que está “a gostar muito” de fazer voluntariado no Banco Alimentar Contra a Fome de Viana do Castelo, na Casa dos Rapazes e na associação Terra. O objetivo de Francisca Lima é continuar a fazer voluntariado para além deste semestre.
Também Mariana Novo está a gostar da experiência. A aluna do 2.º ano de Educação Básica da Escola Superior de Educação (ESE) do IPVC tem uma amiga que já tinha participado no programa U.DREAM e sempre teve “curiosidade” em fazer parte, mas “não sabia como começar”. Mariana já teve formação e teve a experiência de voluntariado no Centro de Dia Paróquia N.ª S.ª de Fátima, no Banco Alimentar Contra a Fome de Viana do Castelo e no projeto Methamorphys. “O que me marcou mais até agora foram os sorrisos dos utentes do centro de dia”, conta a estudante, garantindo que esta experiência é para repetir. “Não estava à espera que fosse tão intenso, acabamos por receber mais do que damos”, constata.

Comentários

topo