País

Liga dos bombeiros acusa GNR de “concorrência desleal” no combate aos fogos

(C) LUSA
Partilhe esta notícia!

O presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP) criticou hoje que a Guarda Nacional Republicana esteja envolvida no combate aos incêndios florestais, considerando que há “uma concorrência desleal”.

“Uma coisa é a GNR com os seus homens e mulheres que merecem o nosso respeito e a nossa admiração pelo trabalho que fazem em prol da segurança do país. Outra coisa completamente diferente é para o mesmo local ou para uma circunstância de concorrência entre duas entidades que deviam ser complementares”, disse António Nunes, em entrevista à agência Lusa.

António Nunes, que assumiu a presidência da LBP há um mês, explicou que foi decidido há uns anos que o combate inicial de um incêndio florestal podia ser feito tanto por elementos da GNR, através da Unidade de Emergência de Proteção e Socorro (que inicialmente se chamava Grupo de Intervenção de Proteção e Socorro (GIPS), como bombeiros.

O responsável considerou que, como Portugal não tem recursos financeiros avultados, a melhor solução é cada entidade desempenhar o seu papel.

“Aos bombeiros o que é socorro, salvamento e combate a incêndios, à GNR e a PSP aquilo que é ordem pública. Se cada um fizer o seu papel, isto tudo corre bem”, disse, sustentando que há “uma concorrência desleal”.

António Nunes ressalvou que a LBP “não tem nada contra a GNR”. No entanto, vincou: “Quando existem postos da GNR que não estão abertos ou não têm o número de elementos necessários para apoiar os bombeiros nas ações quando há acidentes rodoviários, mas aparecem para combater aquilo que é a génese da nossa ação que é o combate aos incêndios, nós dizemos que há de facto uma concorrência que não deve ser feita porque não há necessidade”.

O responsável defendeu que os 1.200 elementos da Unidade de Emergência de Proteção e Socorro deveriam ser entregues aos bombeiros e não estar na alçada de uma força de segurança.

No âmbito das florestas, considerou que a GNR deve ter as funções de vigilância, levantamento de autos por falta de limpeza dos terrenos e o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) deve manter o seu trabalho de abrir aceiros, caminhos de contenção e verificar tudo aquilo na área da prevenção.
“Todos são bem-vindos. Mas cada um tem o seu papel e o papel dos bombeiros é quando há um incêndio, uma ignição irem nos helicópteros combater e fazerem a primeira intervenção, fazer o ataque ampliado e extinguir o incêndio”, disse.

António Nunes afirmou igualmente que, quando há um acidente automóvel, a GNR ou a PSP controlam o trânsito, enquanto os bombeiros prestam socorro, transportam os doentes para os hospitais, retiram as viaturas do local e lavam o piso.

“E se for preciso a Proteção Civil está lá para coordenar todas estas forças presentes. Se isto se passa no acidente rodoviário, ferroviário, aéreo, industrial e num fogo urbano porque é que não se passa na floresta, qual é a diferença”, questionou.

António Nunes questionou também a criação de várias entidades para a prevenção e combate aos incêndios.

“Porque é que criámos um sistema com a AGIF [Agência para a Gestão Integrada de Fogos Rurais, ICNF, GNR, bombeiros sapadores florestais, privados, câmaras municipais, juntas de freguesia, baldios. Sabe o que é que isso dá? Quando se chega à altura do apuramento das responsabilidades a única pessoa que está sentada no banco dos réus neste momento é um comandante”, disse, referindo-se ao julgamento do incêndio de 2017 em Pedrógão Grande.

António Nunes considerou inacreditável que num incêndio com aquela dimensão apenas esteja a ser julgado o comandante dos bombeiros de Pedrógão Grande.

Na entrevista à Lusa, o presidente da LBP disse ainda que vai ter um “relacionamento excelente” com a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) e com a AGIF, considerando que é necessária a cooperação entre todas as entidades.

No entanto, levantou “algumas dúvidas” sobre a necessidade da existência da AGIG, organismo criado após os incêndios de 2017, frisando que a única entidade com funções de coordenação é a ANEPC.

“A Proteção Civil é suficiente, mas admito que o Governo possa ter outro entendimento. Não me parece que seja necessária a existência da AGIF juntamente com o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas”, concluiu.

Comentários

topo