Vila Verde

Gala ‘Namorar Portugal’ custa milhares a Vila Verde e nem 5 mil pessoas assistiram

(c) Namorar Portugal
Partilhe esta notícia!

A organização da Gala Namorar Portugal está a cargo da empresa Simultâneo de Ideias e Música Produção de Eventos Culturais, Lda, com sede em Bragança e mais de 20 anos de experiência em produção de eventos. A Câmara Municipal de Vila Verde contratou o serviço pelo valor de 57.650,00€ + IVA.

A 18ª edição do Concurso Internacional de moda de Vila Verde, marcada para de 14 de fevereiro, no parque industrial de Gême, realizou-se, este ano, em moldes diferentes. A pandemia obrigou a que o evento deixasse de ter jantar, lugares limitados e por isso, foi transmitido on-line. A concurso estiveram 83 coordenados, um deles de Espanha e, pela primeira vez, um vindo da Madeira, numa gala que foi apresentada por Maria Cerqueira Gomes.

Analisando os dados do direto do evento o vídeo não chegou às 5 mil visualizações e, em direto, não estiveram mais de 500 pessoas em simultâneo, alem dos comentários serem de pessoas com residência fora do concelho, amigos dos criadores e há comentários repetidos através pessoas que fazem muitos comentários com a mesma conta (perfil).

Estes custos levaram Fernando Silva, vereador do Chega Vila Verde, a tomar posição contra gastos sem fundamento em Vila Verde. “São anos de muito folclore e demasiada paciência”, disse Fernando Silva vereador do Chega.

Fernando Silva através de comunicado enviado ao Semanário V, veio falar da gala ‘Namorar Portugal’ pela Câmara de Vila Verde e mostrar que os problemas do concelho são muito maiores do que o investido nesta gala, e que deveriam ser a prioridade da Câmara Municipal de Vila Verde.

Fernando Silva do Chega Vila Verde exige “mais obras e menos galas de borla”

Animação musical com a participação de Daniel Fernandes

As modelos Kika Cerqueira Gomes, Cheyenne Feliz, Ana Elisa e Edir são os destaques nas passerelles cuja animação musical vai ficar a cargo da Orquestra Viv’Arte com FF como vocalista e a participação especial de Daniel Fernandes.

Comentários

topo