Vila Verde

Vila Verde era centro de alta produção de droga para mercado europeu

Partilhe esta notícia!

A Polícia Judiciária (PJ) deteve, em Vila Verde, cinco chineses a produzir liamba, através de uma operação que decorreu igualmente na região do Grande Porto e Oliveira de Azeméis. O principal suspeito é um imigrante de segunda geração que já nasceu em Portugal.

A investigação da PJ do Norte iniciou-se com a apreensão de encomendas de canábis detetadas no circuito de expedição, dirigidas a país da Europa Central, tendo a Polícia Judiciária desmantelado as duas estufas clandestinas, numa freguesia a norte do concelho de Vila Verde e a outra em Oliveira de Azeméis, esta na zona norte do distrito de Aveiro.

Em comunicado, a PJ refere que aquela organização se dedicava à produção, “em larga escala”, de liamba destinada à exportação para diversos países europeus.

A investigação, que decorria há dois meses, iniciou-se com a apreensão de encomendas de canábis detetadas no circuito de expedição, dirigidas a um país da Europa Central.

“As diligências de investigação de imediato encetadas conduziram à localização de dois armazéns industriais, um situado em concelho do distrito de Braga e outro em concelho do distrito de Aveiro, ambos utilizados em simultâneo pela organização, dotados de um conjunto de estufas e áreas de secagem, destinadas à produção industrial, ilícita, de liamba”, acrescenta o comunicado.

Naqueles dois armazéns foram edificadas e estavam em produção 10 estufas, dotadas de sistemas de aquecimento, extração de ar e ventilação, acrescidas de outras duas dirigidas ao processo de secagem, sendo o produto final posteriormente acondicionado em vácuo.

Na sexta-feira, a PJ fez buscas domiciliárias e nos armazéns, procedendo à detenção de cinco homens, quatro estrangeiros e um português, com idades compreendidas entre os 21 e os 40 anos e “responsáveis pela produção e exportação daquele estupefaciente”.

Das buscas resultou a apreensão de 3.700 pés da planta canábis sativa e de aproximadamente 100 quilos de liamba pronta a ser embalada, bem como de outros elementos de prova.

Os detidos foram presentes a primeiro interrogatório judicial, tendo sido determinada a todos prisão preventiva, a mais gravosa das medidas de coação.

Com Agência LUSA

Comentários

topo