Braga

Guardião russo Kritciuk, que já jogou no Braga, fez apelo à paz na Ucrânia

Partilhe esta notícia!

O guarda-redes russo Stanislav Kritciuk, que representou vários clubes em Portugal, pediu hoje a “paz ao Mundo”, face à invasão da Ucrânia pela Rússia, e recordou que “qualquer vida humana tem valor”.

Com passado no campeonato português, nomeadamente ao serviço de equipas como o Sporting de Braga, Rio Ave, Belenenses SAD ou Gil Vicente – última formação que representou antes de rumar ao Zenit, em 2021/22-, o guardião mostrou não ter ficado indiferente à guerra que dura há vários dias em solo ucraniano.

“Todos os dias, eu como muitos de nós, sinto uma inquietação na minha alma. Podemos arranjar desculpas: futebol sem política, concentrar só no jogo, mas é apenas uma tentativa de ilusão. Eu não sou apenas um jogador de futebol, sou também uma pessoa, um cidadão, um pai e um filho. Sou contra ver alguém sofrer e morrer. Paz ao Mundo e céu limpo para todos. Qualquer vida humana tem valor e foi isso que me ensinaram na minha infância”, escreveu o guarda-redes do Zenit, de 31 anos, nas suas redes sociais.

Na presente temporada, o internacional russo em duas ocasiões contabiliza 11 jogos pelo emblema de São Petersburgo.

A Rússia lançou na madrugada de 24 de fevereiro uma ofensiva militar com três frentes na Ucrânia, com forças terrestres e bombardeamentos em várias cidades. As autoridades de Kiev contabilizaram, até ao momento, mais de 2.000 civis mortos, incluindo crianças, e, segundo a ONU, os ataques já provocaram mais de 100 mil deslocados e pelo menos 836 mil refugiados na Polónia, Hungria, Moldova e Roménia.

O Presidente russo, Vladimir Putin, justificou a “operação militar especial” na Ucrânia com a necessidade de desmilitarizar o país vizinho, afirmando ser a única maneira de a Rússia se defender e garantindo que a ofensiva durará o tempo necessário.

O ataque foi condenado pela generalidade da comunidade internacional, e a União Europeia e os Estados Unidos, entre outros, responderam com o envio de armas e munições para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas para isolar ainda mais Moscovo.

Comentários

topo