Vila Verde

PS de Vila Verde ‘cantou vitória’ na Assembleia Municipal e discutiu o PDM

(c) Direitos reservados
Partilhe esta notícia!

Na passada segunda-feira, dia 28 de fevereiro, reuniu a Assembleia Municipal de Vila Verde. A bancada do partido socialista interveio e que interessam ser do conhecimento público.

Filipe Silva, fez uma reflexão sobre os resultados das legislativas, em que o Partido Socialista teve um resultado histórico em Vila Verde. Lembrou que uma maioria absoluta não é um poder absoluto, mas sim uma oportunidade para ouvir os outros partidos com assento parlamentar, em que mais que nunca o diálogo terá um papel fundamental para as importantes decisões a tomar no futuro.

Daniela Gonçalves trouxe para a discussão, o Plano Diretor Municipal.

“Consideramos que o assunto merece uma larga reflexão. Essa discussão deve ser o mais abrangente, transparente e cuidada possível, pois está em causa o futuro do concelho no que concerne ao ordenamento do território e às consequências que poderão advir e manifestar-se na vida dos vila-verdenses, seja no aspeto pessoal, familiar ou empresarial.
O Partido Socialista propôs a criação de uma comissão para acompanhar a revisão do PDM. Lamentavelmente encontramos muita resistência, sendo a proposta chumbada pela maioria PSD”, disse a deputada municipal socialista.

Com Emanuel Machado o PS abordou a necessidade de uma reorganização administrativa, uma vez que a lei conhecida por “Lei Relvas” veio criar assimetrias em vários pontos do concelho, sendo que uma grande parte da população não se revê no atual modelo de Uniões de Freguesias, segundo o deputado do PS de Vila Verde.

No Programa de Apoio ao Acesso à Habitação, Joaquim Oliveira reconheceu a importância do mesmo, mas alerta para que este não seja apenas uma lista de boas intenções. É preciso agir de forma efetiva.
Sendo assim disse que é premente, segundo o PS, “Aumentar o parque habitacional público; melhorar as condicionantes económicas e estruturais, como abastecimento de água e saneamento; aumentar a capacidade de resposta aos casos sinalizados; reduzir os núcleos habitacionais precários; melhorar os acessos e aumentar a rede pública de transportes; realojar as famílias em situação de precaridade extrema e descentralizar uma oferta habitacional”.

Aires Fumega, interveio sobre o programa de apoio à Natalidade no concelho. Trata-se de um vale para utilizar em produtos farmacêuticos.
“Criticamos a burocracia associada ao processo de candidatura, que irá desencorajar as potenciais candidaturas.
Não se compreende como este apoio se refere só a despesas em farmácia e não se estende a outras necessidades como alimentação ou vestuário.
Fica a pergunta no ar: Alguém acredita que esta medida irá promover a natalidade em Vila Verde?”, escreve o PS de Vila Verde.

“Com Pedro Araújo, questionamos a presidente da câmara sobre a urgência da incorporação do saldo de gerência nas contas, antes da apresentação destas que terá lugar em abril. Aliás este não tem sido procedimento usual nos anos anteriores. Questionamos também quais os novos compromissos assumidos e os encargos daí decorrentes.
Criticamos também o desempenho orçamental em algumas áreas, que consideramos aquém do prometido. Encontramos valores de execução muito baixos em rubricas importantes a para a vida dos vila-verdenses, nomeadamente em vias de comunicação, transportes, saneamento, água ou gás”, conclui o PS de Vila Verde.

Comentários

topo