Mundo

Ucranianos estavam a fabricar bomba atómica – Chefe da secreta russa

Partilhe esta notícia!

Sergey Naryshkin, chefe do Serviço de Informações Externas (FSB, que sucedeu ao KGB) da Rússia, denunciou hoje que a Ucrânia estava a trabalhar no fabrico de uma bomba atómica.

De acordo com os dados do Ministério da Defesa da Rússia, a Ucrânia conservou (desde a União Soviética) o potencial técnico para criar armas nucleares e é mais capaz de o fazer do que o Irão ou a Coreia do Norte. Além disso, de acordo com os dados do FSB, a Ucrânia estava a trabalhar nessa direção”, afirmou, em comunicado.

Segundo Naryshkin, não era só a Rússia que estava ciente disso, mas também os Estados Unidos.

“Contudo, não só não colocaram quaisquer obstáculos a estes planos, como estavam prontos a dar um impulso aos ucranianos, esperando que os mísseis ucranianos com ogivas nucleares fossem apontados não para o Ocidente, mas para o Oriente”, denunciou.

O chefe do FSB afirmou que o Ocidente quer impor um bloqueio económico, informativo e humanitário à Rússia, com o objetivo de destruir o país.

“A máscara foi removida. O Ocidente está só a cercar a Rússia com uma nova ‘cortina de ferro’. Trata-se de tentar destruir o nosso Estado, um ‘cancelamento’ [do Estado], como estão agora habituados a dizer os meios de comunicação liberais-fascistas tolerantes”, acrescentou.

Que tragédia assistiríamos se uma bomba atómica caísse agora em Kiev?

Naryshkin apontou que “uma vez que nem os Estados Unidos, nem os seus aliados têm a coragem de tentar fazê-lo abertamente e num confronto político-militar honesto, estão a tentar impor de forma vil um bloqueio económico, informativo e humanitário”.

“O mais repulsivo é que tudo isto está a ser feito sob ‘slogans’ enganadores sobre a necessidade de proteger a soberania da Ucrânia e a segurança europeia”, prosseguiu.

Algo que os políticos e especialistas ocidentais definem como “uma nova Guerra Fria”, mas que, na opinião da Rússia, “já é uma guerra bastante quente”, salientou Naryshkin.

A Rússia lançou na madrugada de 24 de fevereiro uma ofensiva militar com três frentes na Ucrânia, com forças terrestres e bombardeamentos em várias cidades. As autoridades de Kiev contabilizaram, até ao momento, mais de 2.000 civis mortos, incluindo crianças, e, segundo a ONU, os ataques já provocaram mais de um milhão de refugiados na Polónia, Hungria, Moldova e Roménia, entre outros países.

O Presidente russo, Vladimir Putin, justificou a “operação militar especial” na Ucrânia com a necessidade de desmilitarizar o país vizinho, afirmando ser a única maneira de a Rússia se defender e garantindo que a ofensiva durará o tempo necessário.

O ataque foi condenado pela generalidade da comunidade internacional, e a União Europeia e os Estados Unidos, entre outros, responderam com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas para isolar ainda mais Moscovo.

Comentários

topo