Mundo

Ucrânia. Forças militares bielorrussas receberam ordens para cruzar fronteira e atacar

Imagem de satélite mostra helicópteros russos na Bielorrússia © SATELLITE IMAGE MAXAR TECHNOLOGIES
Partilhe esta notícia!

Forças militares da Bielorrússia receberam ordens para cruzar a fronteira rumo à Ucrânia e vão receber indicação para atacar o país vizinho, que enfrenta uma invasão russa, revelou hoje o Comando Geral das Forças Armadas ucranianas.

Perto da região de Volhynia, no oeste da Ucrânia e na fronteira com a Bielorrússia ao norte e com a Polónia a oeste, “38 brigadas de assalto aerotransportadas estão numa área arborizada”, referiu a fonte das Forças Armadas da Ucrânia através da rede social Facebook.

“De acordo com as informações disponíveis, o comando da unidade militar foi ordenado a cruzar a fronteira com a Ucrânia”, salientou.

De acordo com o Comando Geral das Forças Armadas da Ucrânia, “a ordem de combate será dada depois de cruzarem a fronteira”.

A mesma fonte referiu que o estado moral e psicológico das forças bielorrussas é “muito baixo” e que “os oficiais e militares não querem desempenhar o papel de mercenários russos”.

“Um número significativo manifestou-se a favor da rescisão dos contratos, que expiram principalmente em maio”, acrescentou.

O Presidente da Bielorrússia, Alexandr Lukashenko, reiterou em várias ocasiões, nos últimos dias, que não tem planos para atacar a Ucrânia.

A Rússia lançou na madrugada de 24 de fevereiro uma ofensiva militar com três frentes na Ucrânia, com forças terrestres e bombardeamentos em várias cidades. As autoridades de Kiev contabilizaram, até ao momento, mais de 2.000 civis mortos, incluindo crianças, e, segundo a ONU, os ataques já provocaram mais de um milhão de refugiados na Polónia, Hungria, Moldova e Roménia, entre outros países.

O Presidente russo, Vladimir Putin, justificou a “operação militar especial” na Ucrânia com a necessidade de desmilitarizar o país vizinho, afirmando ser a única maneira de a Rússia se defender e garantindo que a ofensiva durará o tempo necessário.

O ataque foi condenado pela generalidade da comunidade internacional, e a União Europeia e os Estados Unidos, entre outros, responderam com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas para isolar ainda mais Moscovo.

Comentários

topo