Vila Verde

Junta de Atiães explica à população ‘riscos da criação de um parque de industrial’

(c) Semanário V
Partilhe esta notícia!

Na passada quarta-feira a Junta de Freguesia de Atiães promoveu uma sessão de esclarecimento para abordar os riscos e constrangimentos que a criação de um parque de industria transformadora provocaria na comunidade local.

Fotos: Cedidas a Semanário V

Perante a presença de cerca de 150 pessoas foi apresentado o caminho alternativo defendido pela Junta de Freguesia, que passa pela aposta na ampliação do parque habitacional que permita estancar a saída continua de jovens, que ano após ano, procuram noutras freguesias a casa que gostariam de ter e não encontram em Atiães.
“Acreditamos que esta estratégia permite aproveitar melhor o potencial geográfico da nossa terra para atrair novas famílias, acreditamos que é desse modo que conseguiremos o desenvolvimento que valorize a nossa terra e nosso modo de vida. Para nós o desenvolvimento da nossa freguesia garante-se com mais habitação que trará mais famílias e consequentemente mais serviços públicos, como escolas (que já tivemos e perdemos) e centros de dia, e não com indústria, trânsito, ruído, poluição, desassossego, disse ao Semanário V o presidente da junta de Atiães, Samuel Estrada.

Para a junta de Atiães o desenvolvimento faz-se com a garantia de equipamentos, serviços públicos e serviços básicos como saneamento – que segundo a junta de Atiães “apenas beneficia um dos interessados no parque industrial – e não com camiões pesados a passar a toda hora às nossas portas”.

“Respeitamos os empresários mas entendemos que o melhor local para abrigar a industria transformadora será o parque industrial de Oleiros que esta a aqui ao lado, bem longe de estar lotado e com ampla margem de crescimento. Lamentamos que durante a campanha eleitoral algumas candidaturas tenham preferido entreter o povo com música pimba e porco no espeto em vez de dizer o que estavam a planear – às escondidas – para a nossa freguesia. Percebemos agora porque essas candidaturas recusaram o nosso convite para debater publicamente connosco as suas ideias para a nossa comunidade e para nosso território! Percebemos agora porque tentaram parar a nossa candidatura no tribunal! E estamos certos que o tempo irá aclarar ainda muitas outras verdades e interesses que ainda estão ocultos e dissimulados pela a areia com que nos querem cegar e com o medo que nos querem impor. Este é um assunto demasiado sério porque o que fizermos no PDM irá reflectir-se no nosso território e na nossa vida de modo irreversível. Este tema convoca, por isso, o nosso sentido de responsabilidade colectiva e obriga-nos a olhar para este assunto numa perspectiva superior às mesquinhices político-partidárias e das nossas conveniências pessoais e financeiras. Um assunto desta natureza e importância não pode nem deve ser decidido à pressa e longe do debate com as populações, por isso convidaremos a Sra. Presidente da Câmara – que está, certamente, preocupada com a vida das pessoas – para debater connosco e com a nossa população o futuro que queremos para as nossas famílias e para os nossos jovens”, conclui a junta de freguesia de Atiães.

Comentários

topo