Saúde

Cerca de 40% dos serviços de saúde interrompidos devido à pandemia

(c) Direitos reservados
Partilhe esta notícia!

Cerca de 40% dos serviços essenciais de saúde foram interrompidos na Europa no primeiro ano da pandemia, um padrão que se manteve em 2021, e a covid-19 está a ter um “impacto desproporcional” na saúde mental dos europeus.

O alerta consta do Relatório Europeu da Saúde 2021 da Organização Mundial da Saúde (OMS) hoje divulgado, que considera que ainda existe uma “janela crítica de oportunidade” para os governos e as autoridades saúde nacionais tomarem as medidas necessárias para minimizar o impacto da pandemia a vários níveis.

Segundo o documento da OMS Europa, durante os primeiros meses da pandemia, 40% dos serviços essenciais de saúde foram pelo menos parcialmente interrompidos, uma perturbação que se manteve em 2021, com a suspensão a atingir cerca de 29% desses serviços.

“O impacto da pandemia na saúde da população vai para além do impacto da própria doença. Afetou igualmente o acesso universal a cuidados de qualidade e a promoção e proteção da saúde física, mental e social e do bem-estar da população em geral”, sublinha o relatório.

De acordo com a OMS, comparando com a situação de 2020, a magnitude e a extensão das perturbações nos serviços de saúde nacionais parecem ter diminuído ao longo de 2021, ano em que o “cancelamento dos cuidados de saúde continuou a ser um problema grave e está associado a questões de disponibilidade de pessoal e camas de internamento”.

O relatório aponta o exemplo dos rastreios e tratamentos do cancro da mama, do colo do útero e colorretal, que na maioria dos mais de 50 países que integram a região europeia da OMS foram parcialmente interrompidos ou atrasados.

“O número de diagnósticos de cancro diminuiu significativamente”, adianta a OMS, ao alertar que os diagnósticos e tratamentos tardios do cancro têm impacto nas taxas de sobrevivência do paciente.

A OMS reconhece que os dados variam sobre a quantificação do aumento do número de mortes evitáveis por cancro, mas aponta o exemplo do Reino Unido, onde um estudo estimou que os óbitos adicionais em cinco anos devido ao cancro da mama, colorretal, do pulmão e do esófago situam-se entre 3.300 e 3.600.

“As políticas de cancelamento (parcial) de cirurgias eletivas não urgentes e/ou redução do tempo de hospitalização dos doentes foram implementadas por muitos países, incluindo a Bélgica, a República Checa, a Dinamarca, a Alemanha, a Irlanda, os Países Baixos, Portugal, a Suíça, a Turquia e o Reino Unido”, refere o documento.

O relatório adianta também que a pandemia teve um “impacto desproporcionado” na saúde mental dos europeus, afetando principalmente as mulheres nas faixas etárias entre os 18 e 24 anos e dos 35 aos 44 anos.

A OMS alerta ainda que a pandemia “não está a afetar todos igualmente”, uma vez que os seus efeitos diretos e indiretos “têm sido muito mais prejudiciais para a saúde e o bem-estar” das crianças, adolescentes, mulheres, idosos, refugiados e migrantes, grupos marginalizados, pessoas com doenças ou incapacidades de longa duração, que trabalham em empregos precários, desempregadas e que vivem na pobreza.

“Embora a covid-19 possa afetar todos, não está a afetar todos de forma igual. É importante perceber que a morbilidade e mortalidade relacionadas com a covid-19 tendem a seguir um gradiente social e está relacionada com as condições em que as pessoas nascem, crescem, vivem, trabalham e envelhecem”, avança a OMS.

Entre 24 de janeiro de 2020, quando foi registado o primeiro caso de covid-19 na Europa, e 31 de dezembro de 2021, mais de 102 milhões de pessoas de um total de 929 milhões de habitantes na região europeia da OMS foram infetadas com SARS-CoV-2 e cerca de 1,7 milhões morreram devido à infeção.

A covid-19 provocou pelo menos 6.011.769 mortos em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 21.267 pessoas e foram contabilizados 3.367.469 casos de infeção, segundo dados de hoje da Direção-Geral da Saúde.

A doença é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China.

A variante Ómicron, que se dissemina e sofre mutações rapidamente, tornou-se dominante no mundo desde que foi detetada pela primeira vez, em novembro, na África do Sul.

Comentários

topo