Barcelos

Barcelos acolhe uma centena de refugiados da Ucrânia

(C) CM Barcelos
Partilhe esta notícia!

O concelho de Barcelos já acolheu dezena e meia de refugiados oriundos da Ucrânia, estando todos a viver junto de compatriotas radicados no território do Município. Entretanto, hoje mesmo (11), o vereador do pelouro da ação social, António Ribeiro, deu conta, no decorrer de numa reunião que manteve com os municípios da CIM Cávado, de que até ao próximo dia 19 de março, está prevista a chegada de cerca de mais uma centena de pessoas que fogem do cenário da guerra que assola e flagela a República Ucraniana.
Recorde-se que logo que iniciou a onda de refugiados, após a eclosão da guerra na Ucrânia, a Câmara de Barcelos criou um Plano Municipal de Apoio para poder responder às necessidades das pessoas que cheguem ao concelho.
O Plano contempla diversas vertentes, entre as quais a receção, o acolhimento e a integração de refugiados.
Colaboram neste Plano diversas instituições que integram a Rede Social Concelhia, bem como existe uma articulação permanente com o ACES Cávado III, Serviços da Segurança Social, IEFP, ACM -Alto Comissariado para as Migrações e a Associação S.O.S Ucrânia. Neste Plano, também colaboram muitos voluntários da sociedade civil: particulares e empresas.

Município agradece envolvimento mas alerta para a sustentabilidade e qualidade do acolhimento
A resposta da comunidade barcelense perante a tragédia dos refugiados tem sido exemplar. O Município agradece o empenho de todos, tanto Instituições, associações, empresas e particulares, mas alerta de que as pessoas que chegam têm de ser acolhidas com um mínimo de condições, pelo que toda a ajuda é bem-vinda, mas tem de ter em conta a garantia de acolhimento e habitação.
São pessoas em situação de fragilidade, oriundas de cenários de guerra e ao serem acolhidas têm de ter o mínimo de garantia de sustentabilidade de alojamento, para que possam muito rapidamente, e após os procedimentos burocráticos e eventuais cuidados de saúde, serem integradas no mercado de trabalho e na vida social. Daí que todo este trabalho esteja a ser acompanhado pela comunidade ucraniana que há muito tempo está a viver no Concelho.
Apela-se, por isso, a todos os particulares que tenham alojamento com condições de habitabilidade digna possam aderir a esta onda solidária. Do mesmo modo, solicita-se às empresas que tenham ofertas de trabalho, que as possam alocar às pessoas que desejam e possam permanecer no território barcelense.

Comentários

topo