Guimarães

Arrepiantes “Histórias de vida” de refugiados ucranianos em Guimarães

(c) Município de Guimarães
Partilhe esta notícia!

Uma avó que foi buscar o neto, um jovem que fugiu sozinho para a Polónia, ou uma menina, de 12 anos, que pinta retratos, são algumas das “histórias de vida” de refugiados ucranianos que hoje chegaram a Guimarães.

Um autocarro com 52 refugiados ucranianos, incluindo três crianças, chegou a Guimarães, vindo de Varsóvia, capital da Polónia, numa iniciativa da Câmara de Guimarães, através da Rede de Solidariedade, em articulação com a Comunidade Intermunicipal do Ave (CIM do Ave), que agrega oito municípios: Cabeceiras de Basto, Fafe, Guimarães, Mondim de Basto, Póvoa de Lanhoso, Vila Nova de Famalicão, Vizela e Vieira do Minho.

“Temos uma avó que está em Olhão, no Algarve, que foi de propósito à Ucrânia buscar o neto para o trazer para Portugal, porque a mãe é polícia na Ucrânia e o pai está impedido de sair devido à lei marcial. Contou-me que foi muito difícil sair da Ucrânia com o neto. Houve um comboio que antecedeu o dela que foi atingido pelas tropas russas”, partilha Hugo Quaresma, da Proteção Civil do município de Vieira do Minho, que acompanhou a viagem.

Cinco dias e cerca de sete mil quilómetros depois, eram 09:11 quando o autocarro estacionou junto ao Largo da Mumadona, em Guimarães. Pouco depois, sobretudo mulheres, adolescentes, três crianças, de 3 anos, e três cães, um deles ao colo de uma jovem, começaram a sair do autocarro.

Entre sorrisos, abraços, algumas lágrimas e muito cansaço, os refugiados pegavam nas malas e nas sacas, que foi tudo o que conseguiram trazer de uma guerra que lhes mudou a vida.

Uma das histórias que mais marcou Hugo Quaresma foi a de um jovem, de 17 anos (que vai ficar em Guimarães), que estava institucionalizado no Ucrânia, e que fugiu, sozinho, para a Polónia.

“Ele estava institucionalizado numa instituição na Ucrânia. Com o rebentar da Guerra, fugiu para Varsóvia, completamente sozinho. Tem 17 anos e está sozinho no Mundo. É uma das pessoas que tem de ser seguida, pois não tem mais nenhum tipo de apoio. Nem aqui nem em lado nenhum”, relatou, acrescentado já ter sinalizado o caso junto das autoridades competentes para o seu necessário acompanhamento.

Enquanto Hugo Quaresma partilha as “histórias de vida e heroicas” de alguns dos refugiados, estes vão sendo encaminhados para os carros e pequenos autocarros que os hão-de levar até ao próximo destino: ou para casa de familiares e amigos ou para alojamento disponibilizado pelos municípios.

Uma menina de 12 anos, com jeito para as artes, está entre aqueles que também vão ficar em Guimarães.

“Temos uma miúda, de 12 anos, que gosta imenso de arte e também vai ficar aqui em Guimarães. Ela fala muito bem inglês, já aprendeu algumas palavras em português, e, ontem à noite [segunda-feira], em 10 minutos, fez o meu retrato dentro do autocarro”, revela Hugo Quaresma, que fez a viagem juntamente com quatro motoristas e um tradutor.

Outra das “passageiras” é uma jovem que trabalhava como revisora nos caminhos de ferro ucranianos e que teve de fugir com a filha, deixando os pais e o marido na Ucrânia.

“São histórias de vida que estão aqui dentro e que, infelizmente, se viram no meio desta guerra sem saberem porquê. Uns disseram que vão voltar, outros já têm familiares em Portugal e vão cá ficar, mas, principalmente, os mais velhos, com o saudosismo, têm a intenção de voltar à Ucrânia”, referiu Hugo Quaresma.

Alguns dos refugiados que constavam da lista para trazer para Portugal não conseguiram embarcar.

“Uma mãe e um filho não puderam vir, porque o filho ficou doente. E era um risco fazer a viagem com a criança doente até Portugal. Conseguimos substituir por outras pessoas”, afirmou.

Para este técnico da Proteção Civil da autarquia de Vieira do Minho, esta experiência foi marcante a vários níveis.

“Não podemos mudar o Mundo, é impossível. Em Guimarães, em Vieira do Minho, em Portugal. Mas o povo da CIM do Ave mudou o Mundo desta gente e isso é que é importante. Ficámos contentes por trazer estas pessoas para aqui sãs e salvas. Fizemos o nosso trabalho”, declarou Hugo Quaresma, com a voz embargada.

Tomar um banho é agora o desejo de Hugo Quaresma, algo que não faz desde sexta-feira, dia em que o autocarro saiu de Guimarães.

A guerra na Ucrânia provocou milhares de mortos e feridos, mas o número preciso está ainda por determinar.

A ONU contabilizou 636 civis mortos e 1.125 feridos até domingo, mas tem alertado insistentemente que o número deverá ser substancialmente superior.

Mais de três milhões de pessoas fugiram da Ucrânia para países vizinhos desde o início da guerra, naquela que já é considerada a prior crise do género na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-45).

Com Agência LUSA

Comentários

topo