Mundo

Mais de 3,3 milhões de pessoas fugiram do país devido à invasão russa

(C) Twitter
Partilhe esta notícia!

Mais de 3,3 milhões de refugiados já fugiram da Ucrânia desde a invasão russa, enquanto cerca de 6,5 milhões de pessoas estão deslocadas internamente, anunciou hoje a ONU.

O ACNUR, a agência das Nações Unidas para os refugiados, contabilizou em 3.328.692 o número de ucranianos que foram forçados a abandonar o país desde o início da invasão russa em 24 de fevereiro.

Comparativamente ao anterior relatório, divulgado na sexta-feira, há mais 58.030 ucranianos refugiados nos países vizinhos.

“As pessoas continuam a fugir porque têm medo de bombas, ataques aéreos e destruição indiscriminada”, disse o Alto-comissário Filippo Grandi, que acrescentou: “A ajuda é vital, mas não pode acabar com o medo. Só o fim da guerra pode fazer isso”.

Cerca de 90% dos que fugiram são mulheres e crianças. Os homens ucranianos com idades compreendidas entre os 18 e os 60 anos não podem sair do país porque podem ser mobilizados.

A agência da ONU para as migrações (OIM) também anunciou que, na quarta-feira, 162.000 cidadãos de países terceiros haviam fugido da Ucrânia.

Além daqueles que deixaram o país, cerca de 6,48 milhões de pessoas foram consideradas deslocadas internamente na Ucrânia na quarta-feira, de acordo com a ONU e agências relacionadas, com base numa pesquisa da OIM.

O ACNUR estimou inicialmente que um máximo de quatro milhões de pessoas poderiam deixar a Ucrânia, mas a organização admitiu na semana passada que esse número poderia ser revisto em alta.

Antes do conflito, a Ucrânia tinha uma população de 37 milhões em áreas controladas pelo governo, excluindo a Crimeia anexada pela Rússia e as áreas separatistas pró-Rússia no leste.

Eis a distribuição atual de destinos para os refugiados ucranianos, novamente de acordo com o ACNUR:

+++ Polónia +++

Seis em cada dez refugiados ucranianos cruzaram a fronteira polaca, ou seja, 2.010.693 pessoas.

Dezenas de milhares de pessoas também estão a entrar na Ucrânia a partir da Polónia, principalmente os que regressam para combater e também quem procura cuidar de parentes idosos ou trazer familiares de volta à Polónia.

Os dados sobre as chegadas aos países vizinhos da Ucrânia que fazem parte do espaço Schengen europeu – Polónia, Hungria e Eslováquia – representam apenas passagens de fronteira para este país.

“Estimamos que um grande número de pessoas viajou a caminho de outros países”, disse o ACNUR.

+++ Roménia +++

O ACNUR disse que mais de meio milhão de ucranianos já chegaram à Roménia.

Um total de 518.269 pessoas chegaram ao país, números que incluem os que cruzaram a fronteira para a vizinha Moldávia.

+++ Moldávia +++

O ACNUR disse que 359.056 ucranianos cruzaram a fronteira para este Estado não pertencente à UE, localizado entre a Roménia e a Ucrânia.

É a fronteira mais próxima da principal cidade portuária de Odessa.

Muitos ucranianos simplesmente passam pela Moldávia, sem parar neste pequeno país de 2,6 milhões de habitantes e um dos mais pobres da Europa.

+++ Hungria +++

Os refugiados ucranianos que cruzaram para a Hungria somam 299.273.

A Hungria tem cinco postos de fronteira com a Ucrânia e várias cidades fronteiriças, incluindo Zahony, onde as autoridades locais adaptaram edifícios públicos em centros de emergência para receber refugiados.

+++ Eslováquia +++

Um total de 240.009 ucranianos cruzou a fronteira da Eslováquia.

+++ Rússia +++

Cerca de 184.563 refugiados procuraram refúgio na Rússia.

O ACNUR também estima que 50.000 pessoas cruzaram a fronteira russa das regiões pró-russas de Donetsk e Lugansk, no leste da Ucrânia, entre 21 e 23 de fevereiro.

+++ Bielorrússia +++

Um total de 2.548 refugiados conseguiram ir para a Bielorrússia.

Comentários

topo