Mundo

Pequim não está a enviar assistência militar a Moscovo

(c) Direitos reservados
Partilhe esta notícia!

A China não está a enviar assistência militar a Moscovo para a ofensiva na Ucrânia, disse hoje o embaixador chinês nos Estados Unidos, sem especificar se essa posição também se aplica no futuro.

“Há desinformação de que a China está a fornecer assistência militar à Rússia. Nós rejeitamo-la”, disse Qin Gang, numa entrevista à CBS.

O embaixador chinês indicou que a China “envia comida, medicamentos, sacos-cama e leite em pó”.

“Não armas ou munições para as partes [do conflito]”, acrescentou, garantindo que o país fará tudo para uma diminuição da escalada.

No entanto, evitou indicar se esta posição se irá manter no futuro, dois dias depois de o Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, ter alertado o seu homólogo chinês, Xi Jinping, de que haveria “consequências” se Pequim desse apoio material à Rússia.

Desde o início da invasão russa da Ucrânia, o regime comunista chinês absteve-se de instar Vladimir Putin a retirar as tropas russas da Ucrânia.

“Uma condenação não resolve o problema. Eu ficaria surpreendido se a Rússia recuasse por causa das condenações”, acrescentou o diplomata chinês durante a entrevista.

Questionado se Xi Jinping pediu a Vladimir Putin para pôr fim à invasão da Ucrânia, Qin Gang disse que, “no segundo dia da operação militar da Rússia”, o Presidente chinês apelou para que Putin “considerasse retomar as negociações de paz”.

Na sexta-feira, numa videoconferência, Joe Biden advertiu Xi Jinping para as “implicações” e “consequências” para a China, caso forneça “apoio material” à Rússia no “brutal” ataque deste país à Ucrânia.

Os dois dirigentes também assinalaram a vontade de “manter os canais de comunicação abertos”.

Se por um lado Joe Biden não especificou as consequências para a China de um eventual apoio à Rússia, por outro, o chefe de Estado norte-americano “detalhou” a Pequim as duras sanções económicas e financeiras já impostas pelo Ocidente ao regime de Vladimir Putin, salientou a Casa Branca, no comunicado emitido na altura.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que causou pelo menos 902 mortos e 1.459 feridos entre a população civil, incluindo mais de 170 crianças, e provocou a fuga de mais de 10 milhões de pessoas, entre as quais mais de 3,3 milhões para os países vizinhos, indicam os mais recentes dados da ONU.

Segundo as Nações Unidas, cerca de 13 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

Comentários

topo