País

Ventura critica comunidade cigana e é interrompido por Santos Silva

Partilhe esta notícia!

A intervenção do líder do Chega no encerramento do debate sobre o Programa do Governo ficou marcada por um incidente, após André Ventura ter sido interrompido pelo presidente do parlamento por fazer uma generalização sobre a comunidade cigana.

“O que nós não compreendemos é que a comunidade cigana sempre esteja tão pronta para ser aplaudida por este parlamento”, afirmou Ventura, lamentando não ver notícias de “que os ciganos agrediram a GNR no Alentejo ou os bombeiros”.

E defendeu que “esta capacidade de dizer que sim à comunidade cigana tem que acabar em Portugal”, argumentando que “as minorias não devem ser confrontadas, mas também não podem ser apaparicadas ao ponto de ignorarem que têm que ter os mesmos deveres que todos os portugueses”.

André Ventura alegou que “há um cigano fugido noutro país depois de ter morto um PSP e que o patriarca da comunidade cigana diz que no seu modo, no seu tempo o entregará à justiça”.

E falou num “paraíso de impunidade”, manifestando o seu “respeito pelo agente da PSP que morreu às mãos deste homem”.

Neste momento, o presidente da Assembleia da República interrompeu o deputado do Chega para lhe lembrar que “não há atribuições coletivas de culpa em Portugal”, tendo sido aplaudido por todo o hemiciclo à exceção da bancada do Chega, com a esquerda e alguns deputados da direita de pé.

“Solicito-lhe que continue livremente a sua intervenção, como é seu direito, respeitando este princípio”, acrescentou Augusto Santos Silva.

Ao retomar a intervenção, no púlpito do hemiciclo, André Ventura disse não aceitar “que nenhum outro deputado ou presidente da Assembleia limite” a sua intervenção, o que motivou também um aplauso por parte da sua bancada.

“Eu vou continuar a usar a expressão ‘ciganos’ sempre que tiver que usar e o senhor presidente, no seu direito, sancionará quando tiver que sancionar, sabendo que eu nu

Comentários

topo