Desporto

Benfica tem tarefa que não é impossível, mas parece… frente ao Liverpool

(c) Direitos reservados
Partilhe esta notícia!

O Benfica tem na quarta-feira a missão ‘hercúlea’ de vencer por um mínimo de dois golos no reduto do Liverpool para poder qualificar-se para as meias-finais da Liga dos Campeões em futebol.

Ausentes do ‘top 4’ da principal competição europeia de clubes desde 1989/90, as ‘águias’ não enfrentam uma tarefa impossível, mas quase, tal a qualidade dos ‘reds’, que, em 2021/22, só perderam três jogos, e todos pela diferença mínima.

Desta forma, e face ao triunfo por 3-1 conseguido na Luz na primeira mão dos ‘quartos’, com tentos de Konaté, Mané e Luis Díaz, o ‘onze’ do alemão Jürgen Klopp pode replicar qualquer dos 50 resultados da presente temporada.

Estes números dizem quase tudo, com o Benfica a poder apoiar-se em muito pouco para acreditar em inédita presença nas meias-finais na ‘era Champions’ (desde 1992/93) – caiu nos ‘quartos’ em 1994/95, 2005/06, 2011/12 e 2015/16.

Ainda assim, os ‘encarnados’ têm um registo que, se repetirem, forçam o prolongamento em Liverpool, a inesquecível vitória por 2-0 em 2005/06, com tentos de Simão e Miccoli, que é a única de equipas portuguesas em Anfield Road.

Agora, a situação é, porém, bem diferente, já que, há 16 anos, os comandados do neerlandês Ronald Koeman chegaram a Liverpool em vantagem, em duelo dos ‘oitavos’, depois de um triunfo na Luz por 1-0, selado sobre o final por Luisão.

Desta vez, o ‘onze’ de Nélson Veríssimo está em desvantagem, e por dois golos, depois de um primeiro jogo em que deu réplica aos ingleses, sobretudo na segunda parte, em que merecia bem mais ter chegado ao 2-2 do que sofrer o 1-3.

Já depois de Darwin Núñez ter reduzido para 1-2, o Benfica, que ao intervalo perdia por dois golos, pode também queixar-se de um penálti do neerlandês Van Dijk sobre o uruguaio.

Ainda assim, ficou a exibição da segunda metade, ao nível da realizada nos ‘oitavos’, face ao Ajax (2-2), que, então, foi determinante para o Benfica acreditar que era possível chegar a Amesterdão e eliminar uma das três equipas que tinham acabado só com vitória a fase de grupos da Liga dos Campeões.

Uma das outras foi precisamente o Liverpool, que, entretanto, já perdeu (0-1 na receção ao Inter Milão, na segunda mão dos ‘oitavos’), mas num desaire sem consequências, uma vez que os ‘reds’ haviam triunfado em San Siro por 2-0.

Depois dessa derrota, a equipa da Cidade dos Beatles somou cinco vitórias consecutivas, para, no domingo, empatar 2-2 no reduto do Manchester City, para a Premier League, conseguindo manter-se a um ponto dos ‘citizens’, os líderes da prova.

Por seu lado, o Benfica voltou aos triunfos no sábado, ao bater em casa o Belenenses SAD por 3-1, numa reviravolta assinada por um ‘hat-trick’ de um muito inspirado Darwin, depois de duas derrotas consecutivas, em Braga (2-3) e com os ‘reds’.

O Liverpool parte, assim, como incontestável favorito para o duelo de quarta-feira, apesar de este aparecer entre dois importantes embates com o City, que vai voltar a defrontar no sábado, para as meias-finais da Taça de Inglaterra.

O City está no mesmo ‘barco’, já que, no mesmo dia, desloca-se ao reduto do Atlético de Madrid, onde chega com um escasso golo de vantagem, o único que conseguiu apontar no Etihad, obra do belga Kevin De Bruyne (70 minutos).

A formação de Pep Guardiola, que dominou por completo o encontro da primeira mão, perante um conjunto de Diego Simeone que só defendeu, parte com um favoritismo, mas os ‘colchoneros’ são sempre um adversário perigoso.

Na terça-feira, o Real Madrid, recordista de vitórias na prova (13), tem tudo para afastar o campeão em título Chelsea, após o 3-1 de Londres, com um ‘hat-trick’ de Karim Benzema.

Por seu lado, o Villarreal, detentor da Liga Europa, chega à Alemanha em vantagem sobre o ‘todo poderoso’ Bayern Munique, depois da vitória, que até pecou por escassa (1-0), em Espanha, onde decidiu o neerlandês Arnaut Danjuma.

Comentários

topo