Vila Verde

Teto a cair em parque subterrâneo de Vila Verde ‘é uma bomba relógio’

(c) Semanário V
Partilhe esta notícia!

A Sociparque – Gestão de Parques de Estacionamento SA de Braga abriu em 2009, na Praça do Município em Vila Verde, um parque de estacionamento com capacidade para 212 viaturas.

A fonte adiantou que o empreendimento, onde foram investidos quatro milhões de euros, esteve a cargo da empresa bracarense Arlindo Correia & Filhos S.A. (ACF).

O projeto implicou obras de requalificação à superfície e naquela altura os promotores assinalam a abertura do equipamento, com estacionamento gratuito no dia da inauguração.

Escândalo após escândalo a Sociparque – Gestão de Parques de Estacionamento SA de Braga foi aguentando a concessão do estacionamento à superfície em Vila Verde.

Estacionamento. Empresa devolve concessão de estacionamento em Vila Verde se câmara pagar 4 ME

A empresa Sociparque manifestou-se disponível para abdicar da concessão do estacionamento em Vila Verde, em Braga, desde que a câmara lhe pague os cerca de quatro milhões de euros que diz ter investido naquele concelho.

Em comunicado, a empresa acusava também os fiscais da Câmara de Vila Verde só emitirem autos de estacionamento “a quem lhes convém”.

A Sociparque reage, assim, a ação judicial anunciada pela Câmara de Vila Verde com vista à resolução do contrato de concessão do estacionamento, por alegados “incumprimentos” por parte da empresa.

O presidente da Câmara na altura, António Vilela, escusou-se a comentar o comunicado da Sociparque, alegando que o caso está em tribunal e que será “nessas instâncias” que os argumentos serão dirimidos.

Condutor com bilhete válido é ‘multado’ por fiscais da Sociparque em Vila Verde

Hoje o parque de estacionamento subterrâneo junto à Câmara Municipal de Vila Verde é um local ao abandono, “sem rei nem roque”, com entradas perigosas, tetos a cair, elevadores inutilizados, sem acessos eficientes para pessoas com mobilidade reduzida.

Fotos: Semanário V

Para muitos vila-verdenses este foi o negócio mais “ruinoso” para Vila Verde na altura com José Manuel Fernandes ao leme das Câmaras, passando ‘os livros’ a António Vilela.

Comentários

topo