Barcelos

Tribunal iliba Câmara de Barcelos no caso das 40 horas semanais de trabalho

(c) Direitos reservados
Partilhe esta notícia!

O Tribunal Administrativo de Círculo de Lisboa julgou improcedente a ação interposta por um sindicato contra o município de Barcelos, pela alteração do horário de trabalho de 35 para 40 horas semanais, entre 2013 e 2014.

O mandatário do município, Nuno Cerejeira Namora, explicou hoje que, com a ação, o Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Administração Local e Regional (STAL) pretendia que a Câmara pagasse as horas alegadamente trabalhadas a mais fossem pagas como sendo trabalho extraordinário, o que custaria cerca de meio milhão de euros ao município.

Em causa está um despacho do então vice-presidente da Câmara de Barcelos, datado de 25 de setembro de 2013, que procedeu à alteração do período normal de trabalho de 35 para 40 horas semanais.

Esse despacho foi emitido na sequência da publicação da Lei n.º 68/2013, de 29 de agosto.

As 40 horas foram cumpridas nos períodos compreendidos entre 30 de setembro e 10 de novembro de 2013 e entre 08 de janeiro e 01 de outubro de 2014.

O STAL, em representação de 256 trabalhadores, recorreu para tribunal, pedindo a anulação do despacho, por não ter sido precedido de consulta dos trabalhadores afetados ou dos seus órgãos representativos.

Pedia ainda que, consequentemente, as horas alegadamente trabalhadas a mais fossem pagas como trabalho extraordinário.

Pedidos que agora foram recusados pelo Tribunal Administrativo de Círculo de Lisboa, numa sentença que, segundo Cerejeira Namora, não é passível de recurso.

“Em termos práticos, nesta recente sentença, o Tribunal Administrativo entendeu que, com ou sem o ato impugnado, sempre o horário a que estavam sujeitos os trabalhadores da função pública após a entrada em vigor da referida lei era o de oito horas diárias e 40 horas semanais, pelo que, assim sendo, não existiria qualquer trabalho suplementar ou extraordinário”, explicou o advogado.

Nuno Cerejeira Namora considera esta sentença “verdadeiramente exemplar” e sublinha que se traduz “numa poupança ao erário público de cerca de meio milhão de euros”.

“Esta sentença não admite recurso e pode ter consequências em muitas mais autarquias que interpretaram a lei do mesmo modo”, remata.

Em janeiro de 2017, o Tribunal Administrativo e Fiscal de Braga tinha anulado o despacho em questão e condenado a Câmara de Barcelos a praticar um novo ato, precedido de consulta aos trabalhadores.

Comentários

topo