Vila Verde

Atiães em peso e com caixão às costas protesta na Câmara de Vila Verde

(c) Semanário V
Partilhe esta notícia!

Um grupo de dezenas de cidadãos da freguesia de Atiães protestou, esta quarta-feira, em peso, à porta da Câmara Municipal de Vila Verde, contra a tentativa de instalação já em curso de um complexo com nove indústrias de caraterísticas desconhecidas na localidade.

Fotos: Semanário V

“Estamos indignados com toda esta situação e saímos hoje à rua para manifestar a nossa indignação, pois além do mais a freguesia de Atiães faz parte do concelho de Vila Verde, mas continua a ser esquecida por este executivo municipal”, segundo revelaram no início ao V os promotores da manifestação, Samuel Estrada, Helena Peixoto e Henrique Costa, liderando um grupo que ao início da noite, com um caixão às costas, partiu das imediações do Palácio da Justiça de Vila Verde, passando a Praça de Santo António e colocando-se, de seguida, em frente aos Paços do Concelho de Vila Verde, como cartazes e palavras de ordem, acabando as dezenas de manifestantes a assistir à própria Assembleia Municipal.

Tal como o Semanário V tem vindo a reportar, em pormenor, o povo de Atiães não aceita de modo algum a situação, pelo que se manifestou já durante esta noite à porta dos Paços do Concelho de Vila Verde, a anteceder a Assembleia Municipal, preparando-se para por sua vez aprovar um referendo na Assembleia de Freguesia de Atiães, já nesta sexta-feira, reunião que será transmitida em direito a primeira vez pela internet e que é para continuar.

O independente Samuel Estrada, que é o novo presidente da Junta de Freguesia de Atiães, encabeçou o protesto, referindo de megafone em riste que “quando um grupo de cidadãos eleitores mostrou que também constitui uma força política, ganhando as últimas eleições autárquicas ao nível da freguesia, é confrontados pela inação e a indolência do Município de Vila Verde, através da falta de clareza e de transparência, nas informações prestadas acerca de projetos industriais da falta de apoio material e financeiro à Freguesia de Atiães, foram motivo suficiente para erguer todo um povo, que está a defender os seus interesses mais básicos, que são a qualidade de vida pela qual lutaram e a que todos temos direito”.

Comentários

topo