País

Cinco casos confirmados de varíola do macaco em Portugal, há mais 15 suspeitos

(c) Direitos reservados
Partilhe esta notícia!

Cinco casos de infeção pelo vírus Monkeypox foram já confirmados pelo Instituto Nacional Doutor Ricardo Jorge, anunciou a Direção-Geral da Saúde, que fala noutros 15 casos suspeitos identificados este mês na região de Lisboa e Vale do Tejo.

Em comunicado, a Direção Geral da Saúde (DGS) explica que os casos, na maioria jovens e todos do sexo masculino, “estão estáveis, apresentando lesões ulcerativas”.

O vírus Monkeypox é do género Ortopoxvírus (o mais conhecido deste género é o da varíola) e a doença é transmissível através de contacto com animais, ou ainda contacto próximo com pessoas infetadas ou com materiais contaminados.

A doença é rara e, habitualmente, não se dissemina facilmente entre os seres humanos.

A DGS informa ainda que está a centralizar, nesta fase, todas as ações de deteção, avaliação, gestão e comunicação de risco relacionadas com estes casos através do Centro de Emergências em Saúde Pública (CESP).

Na terça-feira, a DGS comunicou o alerta aos profissionais de saúde, nomeadamente aos médicos e enfermeiros, com o objetivo de identificarem eventuais casos suspeitos e de os notificarem.

A autoridade de saúde aconselha ainda as pessoas que apresentem lesões ulcerativas, erupção cutânea, gânglios palpáveis, eventualmente acompanhados de febre, arrepios, dores de cabeça, dores musculares e cansaço a procurarem um médico.

Perante sintomas suspeitos, a pessoa “deverá abster-se de contactos físicos diretos”, acrescenta a DGS.

A abordagem clínica não requer tratamento específico, sendo a doença habitualmente autolimitada em semanas.

O Reino Unido reportou casos semelhantes de lesões ulcerativas, com a confirmação de infeção por vírus Monkeypox.

“A DGS está a acompanhar a situação a nível nacional e em articulação com as instituições europeias”, acrescenta a nota.

Com Agência LUSA

Comentários

topo