Guimarães

Mais de 30 cantinas escolares de Guimarães fechadas devido à greve

(c) Direitos reservados
Partilhe esta notícia!

Mais de 30 cantinas escolares de Guimarães estão hoje encerradas e cerca de quatro mil refeições ficaram por servir, devido à greve dos trabalhadores dos refeitórios escolares do concelho, de acordo com o sindicato.

O balanço da greve foi feito aos jornalistas por Francisco Figueiredo, do Sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Hotelaria, Turismo, Restaurantes e Similares do Norte, após a manifestação de cerca de 70 trabalhadoras da empresa Uniself, que se concentraram na manhã de hoje em frente ao edifício da Câmara Municipal de Guimarães, exigindo melhores condições contratuais e salariais.

Empunhando cartazes como “aumentos salariais, já!, exigimos aumentos salariais, exigimos respeito pelos direitos, não ao horário parcial, exigimos horários completos”, as cerca de sete dezenas destas trabalhadoras também entoavam cânticos como “câmara [de Guimarães] escuta, os trabalhadores estão em luta”.

Segundo Francisco Figueiredo, a adesão à greve de hoje “foi uma grande resposta” à Uniself, empresa que “mantém contratos de grande precariedade com cerca de 150 dos 200 trabalhadores”, que exercem a atividade profissional nas cantinas das escolas do concelho de Guimarães, no distrito de Braga.

O dirigente sindical contou que, na segunda-feira, houve uma reunião com a Uniself, na qual a empresa “não apresentou qualquer proposta e se recusou a aumentar os salários precários da esmagadora maioria” destas profissionais, razão pela qual a greve se manteve.

Caso as reivindicações destes trabalhadores não sejam atendidas, o dirigente do sindicato da hotelaria do Norte, afeto à CGTP-IN, prometeu novo plenário para setembro, para se decidir mais formas de luta, que podem passar, nomeadamente, por nova greve.

O dirigente sindical criticou também a Câmara de Guimarães “que se colocou ao lado do patrão e não ao lado dos trabalhadores, o que não é uma posição aceitável”, acrescentando que a autarquia “não faz nada, não fiscaliza o cumprimento do caderno de encargos”.

Em resposta à agência Lusa, o município liderado por Domingos Bragança disse que não iria fazer comentários sobre a greve.

A Lusa também questionou a Uniself, aguardando ainda uma resposta da empresa responsável para confeção e distribuição das refeições nas escolas de Guimarães.

Em comunicado divulgado na semana passada, o sindicato referia que as condições de trabalho destes profissionais “são precárias”, sublinhando que “há quem trabalhe há mais de 20 anos consecutivos [com contratos] a termo certo”, e outras trabalhadoras que “são contratadas em setembro de um ano e despedidas em julho do ano seguinte”.

“Muitas [funcionárias] trabalham poucas horas diárias, cujo valor que recebem não chega para pagar os transportes, não estão devidamente classificadas, recebem salários baixos, a empresa e a associação patronal recusam negociar melhores salários e a revisão do Contrato Coletivo de Trabalho, e a Câmara Municipal de Guimarães não fiscaliza o Caderno de Encargos”, lia-se no comunicado.

A passagem ao quadro de todos os trabalhadores contratados a termo, a contratação direta de todos os trabalhadores pela Uniself sem qualquer recurso a empresas de trabalho temporário, ter um horário completo de 40 horas semanais para os trabalhadores das cantinas de confeção, e carga horária mínima de quatro horas diárias e 20 horas semanais para os trabalhadores das cantinas transportadas são algumas das reivindicações.

O sindicato exige ainda a reclassificação e a contratação de trabalhadores com a categoria de despenseiro e encarregado para todas as cantinas de confeção, assim como “o pagamento das horas em dívida trabalhadas em janeiro e fevereiro”.

Comentários

topo