Braga

Colégio D. Diogo de Sousa em Braga com a terceira melhor média nacional

(c) Direitos reservados
Partilhe esta notícia!

Quase uma em cada dez escolas teve média negativa nos exames nacionais do secundário em 2021, segundo uma análise feita pela Lusa, que revela uma descida das notas em relação ao ano anterior.

Pelo segundo ano consecutivo, devido à pandemia de covid-19, os exames nacionais realizados em 2021 continham várias perguntas opcionais e as provas não eram obrigatórias para a conclusão do secundário.

No entanto, no ano passado, aumentaram os itens de resposta obrigatória e diminuíram as perguntas opcionais em número e valorização e as notas desceram: Das 487 escolas observadas, 41 obtiveram média negativa nos exames realizados pelos seus alunos, ou seja, 91,6% teve média positiva.

A maioria dos “chumbos” aconteceu em escolas públicas: 38 num universo de 416 escolas públicas, contra três de escolas privadas num universo de 71 colégios.

Mas a média das notas das escolas públicas voltou a aproximar-se dos colégios, agora com uma diferença de 1,4 valores (numa escala de 0 a 20).

No ano passado, a média nacional dos alunos dos colégios foi de 12,7 valores (no ano anterior foi de 14,3) e das públicas foi de 11,3 valores (12,8 no ano anterior), segundo a análise da Lusa, que mostra uma descida da média geral das notas.

Com uma média de 16,16 valores nos 107 exames, o Colégio Efanor ultrapassou o Colégio Nossa Senhora do Rosário, no Porto, que nos últimos anos tem ocupado a melhor posição do ‘ranking’ elaborado pela Lusa, que exclui os estabelecimentos de ensino com menos de 100 provas e faz a média das notas dos alunos que realizaram provas do secundário.

Segue-se o Colégio Nova Encosta, em Paços de Ferreira (média de 15,96), e o Colégio D. Diogo de Sousa (15,84 valores).

O colégio Nossa Senhora do Rosário surge este ano em 4.º lugar, com uma média de 15,81 valores nos 413 exames realizados.

Com uma média de 13,58 valores nos 875 exames realizados, a primeira escola pública é a Escola Artística António Arroio, em Lisboa, e surge em 31.º lugar do ‘ranking’ geral, o que significa que as escolas públicas sobem ligeiramente na tabela geral em 2021, desta vez três lugares.

Destaca-se outra escola artística: a Soares dos Reis, no Porto, é a segunda escola pública com melhor média nos exames nacionais, com 13,35 valores, ocupando o 34.º lugar da tabela geral.

Numa comparação entre sexos, as alunas obtiveram uma média de 11,86 (no ano anterior foi de 13,25 valores), enquanto os rapazes tiveram 10,99 (em 2020 foi de 12,85 valores).

As raparigas obtiveram melhores resultados em dez das 14 disciplinas analisadas, conseguindo melhor média a todas as três Matemáticas, a Física e Química, mas também a Biologia e Geologia, Filosofia ou Português. A média dos exames realizados pelos rapazes foi mais alta a Inglês, História A, Geografia A e Geometria Descritiva.

Com a decisão de os exames deixarem de ser obrigatórios para a conclusão do secundário, voltou a haver menos alunos dos cursos científico-humanísticos a realizar, na 1º fase, os exames nacionais: Foram 111.4265 estudantes (menos 11% do que no ano anterior) e também foram menos provas (152.209 na 1.º fase, ou seja, menos 23% em relação ao ano anterior).

A maioria dos alunos que realizou provas em julho de 2021 pertence aos distritos de Lisboa (24%), Porto (16%), Braga (9%) e Setúbal (9%).

Viana do Castelo voltou a ser o distrito com a melhor média nos exames nacionais do ensino secundário de 2021 (11,98), seguindo-se o Porto e Viseu.

Lisboa surge em 10.º lugar com quase 50 mil exames realizados e uma média de 11,4 valores.

As notas no exame nacional de Português subiram em 2021 em relação ao ano anterior, contrariando a tendência generalizada de descida das médias, segundo uma análise realizada pela Lusa a dados do Ministério da Educação.

Pelo segundo ano consecutivo, devido à pandemia de covid-19, os exames nacionais de 2021 continham várias perguntas opcionais e as provas serviam, essencialmente, para acesso ao ensino superior.

Mas, no ano passado, havia menos perguntas opcionais e as notas acabaram por descer, com exceção de apenas duas disciplinas: Português e Geometria Descritiva.

Em Português a média subiu de 11,98 valores em 2020 para 12,05 no ano passado, um ligeiro aumento de 0,06 valores, numa escala de zero a vinte. Em Geometria Descritiva a subida foi mais acentuada, passando de 11,24 para 12,36.

Todas as outras disciplinas registaram uma descida da média, com destaque para a Matemática A, Física e Química A, Geografia A e Biologia e Geologia.

Num universo de 633 escolas analisadas, 599 obtiveram média positiva (94,6%) a Português e apenas 34 registaram uma média negativa (5,5%).

Com a melhor média nacional surge o Colégio Nossa Senhora do Rosário, no Porto, onde a média dos 14 alunos que realizaram o exame foi de 17,91 valores.

A primeira escola pública entra em décimo lugar, com um único aluno da Escola Básica e Secundária António Bento Franco, na Ericeira, que realizou o exame e teve 16,5 valores.

Já no fim da tabela realizada pela Lusa, surgem sete escolas públicas e três privadas no grupo das dez com piores médias nacionais.

Com Agência LUSA

Comentários

topo