Póvoa de Lanhoso

Homens detidos por atear fogos em Póvoa de Lanhoso e Celorico de Basto

(C) GNR - Ilustrativa
Partilhe esta notícia!

O Comando Territorial de Braga, através de militares do Posto Territorial de Celorico de Basto e do Destacamento Territorial de Póvoa de Lanhoso, ontem, dia 18 de julho, deteve dois homens de 45 e 49 anos pelo crime de incêndio florestal, em duas situações distintas, nos concelhos de Celorico de Basto e de Póvoa de Lanhoso.

Na primeira situação, no concelho de Póvoa de Lanhoso, no seguimento de uma denúncia por incêndio florestal na localidade de Taíde, os militares da Guarda deslocaram-se ao local onde identificaram o autor do incêndio, de 45 anos, que tinha na sua posse um isqueiro utilizado para a ignição de vegetação existente junto do mesmo e com habitações próximas do local.

Os factos foram comunicados ao Tribunal Judicial de Póvoa de Lanhoso e o detido será presente hoje, dia 19 de julho, a primeiro interrogatório para aplicação de medidas de coação.

No segundo caso, no concelho de Celorico de Basto, na sequência de uma denúncia que um popular teria visto o suspeito de 49 anos a tentar atear fogo a um terreno agrícola, os militares da Guarda deslocaram-se para o local onde verificaram que já tinha deflagrado um incêndio. Esta ação contou com o apoio dos Bombeiros Voluntários de Celorico de Basto. O suspeito foi retido pelo popular que o viu atear o fogo até a chegada dos militares da Guarda, culminando na sua detenção. No decorrer da ação o suspeito assumiu ter sido o autor do incêndio, tendo ainda na sua posse um isqueiro, três papeis amarrotados, um dos quais queimado num dos cantos.

O detido vai ser presente a primeiro interrogatório no Tribunal Judicial de Guimarães, para aplicação das medidas de coação.

Com estas detenções, a Guarda Nacional Republicana (GNR) já efetuou 56 detenções por incêndio florestal no presente ano de 2022, mais quatro do que em todo o ano de 2021 (52 detenções).

Comentários

topo