Guimarães

Parque de Lazer do Agrela é um novo espaço comunitário em Guimarães

Partilhe esta notícia!

Na manhã deste sábado, 13 de agosto, Domingos Bragança, Presidente da Câmara, que se fez acompanhar de vereadores do Executivo Municipal, tinha a esperá-lo o Presidente da Junta de Freguesia de S. Cláudio de Barco, Luís Pereira, para a inauguração do Parque de Lazer do Agrela. Trata-se de uma infraestrutura de lazer e convívio, situada junto ao Rio Agrela, relvada, e com equipamentos de lazer e convívio, que resulta de uma proposta submetida ao Orçamento Participativo.

A cerimónia iniciou-se com uma atuação musical do grupo sénior Castreja – Gerações em Movimento, a que se seguiu a bênção do espaço, efetuada pelo Padre Machado. A abrir as intervenções protocolares, o Presidente da Junta de S. Cláudio de Barco, Luís Pereira, agradeceu a presença de todos e congratulou-se pelo facto de um espaço que estava abandonado, e que servia como depósito de lixo, se ter transformado num bonito espaço de lazer e convívio, que faz com que a freguesia “fique mais verde”. Luís Pereira lembrou que o Parque de Lazer é fruto de uma proposta submetida ao Orçamento Participativo, salientando o labor de todos para que a proposta fosse bem-sucedida. “Agradeço à Câmara Municipal o facto de ter requalificado este espaço, bem como ter pavimentado a rua que lhe dá acesso. Estou certo que a função para a qual este parque foi criado será uma mais-valia para Barco que será usufruída por todos”, disse.

Domingos Bragança, Presidente da Câmara, agradeceu o empenho dos vários grupos de cidadãos que se mobilizaram para que o projeto do Parque de Lazer do Agrela fosse levado avante e salientou a importância do aproveitamento dos espaços abandonados para criação de espaços verdes, o que permite que Guimarães se afirme, cada vez mais, como um concelho verde. “Este espaço, atravessado pelo rio Agrela, é um espaço de encontro, relvado, com árvores e com um parque infantil. É um maravilhoso espaço de comunidade”, frisou.

O Presidente da Câmara lembrou que todos devem ser responsáveis pela sua preservação, para que a vida em harmonia com a Natureza seja cada vez mais uma prática habitual. “Temos que ser vigilantes e, passo a passo, transformar o concelho. A mudança de comportamentos permite que cada um de nós contribua para a mudança de uma região, de um país e do Mundo”. Lembrou. O Edil terminou a intervenção parabenizando os presentes e todos os que contribuíram para o sucesso do projeto: “Tudo isto é caminho e vale muito. Este é o vosso sítio e sei que cuidarão dele”.

No final, houve ainda tempo para mais uma atuação do grupo Castreja – Gerações em Movimento e para um pequeno convívio com todos os presentes.

Comentários

topo