Saúde

Sindicato dos Enfermeiros considera que demissão da ministra pode recuperar o SNS

(c) Direitos reservados
Partilhe esta notícia!

Estrutura sindical não se mostra surpreendida e considera que Marta Temido foi incapaz de resolver os problemas mais prementes do SNS.

O presidente do Sindicato dos Enfermeiros – SE, Pedro Costa considera que a demissão de Marta Temido de Ministra da Saúde “deve ser encarada pelo Governo como a oportunidade de finalmente recuperar e relançar o Serviço Nacional de Saúde (SNS)”. “Espera-se que o sucessor seja alguém motivado para resolver as carências e premências do SNS, criando condições para contratar mais profissionais de Saúde, investindo e valorizando-os e às carreiras, em especial a de Enfermagem, e, acima de tudo, ser capaz de dialogar com as estruturas representantes dos profissionais de Saúde”.

Pedro Costa não se mostra surpreendido com a demissão da ministra e salienta que era algo anunciado, depois da surpresa que, na verdade, foi a sua recondução no cargo. “É de consenso geral que a grande marca de Marta Temido
é a gestão da crise de COVID-19, algo reconhecido até internacionalmente, mas, infelizmente, antes e depois disso, foi incapaz de resolver um único problema no SNS, apenas de apresentar remendos atrás de remendos”, salienta.

O presidente do Sindicato dos Enfermeiros espera que “a substituição de Marta Temido não se arraste no tempo, até porque os enfermeiros têm vindo a negociar com o Ministério a resolução de um conjunto significativo de
problemas, alguns deles com décadas”. “Esperamos e desejamos que a mudança de titular da pasta da Saúde não afete estas negociações, que duram há quatro meses”, acrescenta Pedro Costa.

No entender do Sindicato dos Enfermeiros – SE, é desejável que o sucessor de Marta Temido seja “uma figura de consensos, conhecedora do Serviço Nacional de Saúde, dos seus reais problemas e com motivação para dialogar com as
diferentes estruturas profissionais e com efetiva vontade de resolver os problemas que afetam o SNS, os seus profissionais e a forma como tudo isto condiciona a prestação de cuidados de saúde”. “O primeiro-ministro deveria ter a capacidade de substituir Marta Temido de imediato, de forma a minimizar a instabilidade crescente no SNS”, refere Pedro Costa.

O Sindicato dos Enfermeiros, assegura o seu presidente, “está disponível para dialogar com o próximo titular da pasta da Saúde e para ser uma força mobilizadora para a resolução dos problemas que afetam os enfermeiros portugueses”.

Comentários

topo