Ponte de Lima

Paróquia de Calheiros, em Ponte de Lima, invocou Santa Eufémia

Partilhe esta notícia!

Após a eucaristia celebrada às 14h30, no Santuário de Santa Eufémia, com a presença do Orfeão de Santa Eufémia de Calheiros, do Bispo de Viana do Castelo, D. João Lavrador e do Bispo de Ourense, D. Leonardo Montanet, ocorreu a procissão sob intenso calor.

No corpo da procissão destaque para a Fanfarra Unidos de Cepões, a cruz processional, andores com imagens, algumas vindas de diversas freguesias vizinhas, de São José, Menino Jesus, São Miguel, Sagrado Coração de Jesus, São Sebastião, Santo António, São Tarcísio, São Bento, Santa Luzia, São Brás, Nossa Senhora de Caacupé (padroeira do Paraguai), Nossa Senhora do Minho, Menino Jesus de Praga, Nossa Senhora das Graças, Senhor dos Perdidos, Nosso Senhor do Socorro, Nossa Senhora do Rosário de Fátima com os pastorinhos Francisco Marto e Jacinta Marto, São João Batista, Nossa Senhora do Rosário de Fátima , Santa Marinha, Divino Salvador, Santa Quitéria, Santa Eufémia (2 imagens), assim como o paleo imponente ladeado por lanternas, autarcas locais, mordomas e mordomos, membros da Associação de Acólitos de Santa Eufémia de Calheiros, a centenária Banda Musical de Aboim da Nóbrega (concelho de Vila Verde) e crentes.

Na procissão integraram-se ainda figurados de Santo Ovídio e das oito irmãs gémeas de Santa Eufémia, sendo também usadas várias bandeiras de invocação com destaque para as dedicadas ao Divino Salvador, a Nossa Senhora dos Emigrantes, ao Sagrado Coração de Jesus, a São Cristóvão (padroeiro de Labruja), a Santa Marinha, a São Tiago (padroeiro de Brandara), a Nossa Senhora do Rosário de Fátima e a Nossa Senhora da Boa Viagem.

No final da tarde, atuaram a Fanfarra Unidos de Cepães e a Banda Musical de Aboim da Nóbrega, coletividades constituídas maioritariamente por jovens e que devem ser apoiadas pelas populações dado representarem as suas terras e serem um exemplo saudável de fruição da cultura musical e de socialização.

Igualmente, durante as atuações referidas, todos os andores foram recolhidos na Igreja do Santuário para adoração e contemplação.

De referir que no Arquivo Distrital de Braga existe um interessante título datado de 22 de abril de 1728 da Igreja Paroquial de Santa Eufémia de Calheiros, a favor de João Velho Barreto, clerigo in minoribus.

Fotos: Carlos Dobreira

Comentários

topo