País

GNR deteve este ano 72 pessoas pelo crime de incêndio florestal

Partilhe esta notícia!

A GNR deteve este ano 72 pessoas pelo crime de incêndio florestal, o maior número dos últimos cinco anos, sendo os distritos de Viseu e Vila Real onde foram feitas mais detenções, revelou hoje a corporação.

Dados da Guarda Nacional Republicana enviados à Lusa indicam que este ano foram detidas mais 20 pessoas do que em 2021, quando foram feitas 52 detenções pelo crime de incêndio florestal.

Segundo a GNR, em 2017 foram detidas 65 pessoas, número que diminuiu para 63 no ano seguinte, voltando a baixar para 58 em 2019 e em 2020 e 2021 foram 51 em cada ano.

A maioria das 72 detenções feitas até 19 de outubro deste ano aconteceu nos distritos de Viseu (13), Vila Real (11), Guarda (8), Porto (7) e Braga (6).

Esta força de segurança identificou também este ano 1.076 pessoas pelo crime de incêndio florestal, mais 219 do que em 2021.

A GNR sublinha que as causas mais frequentes dos fogos registados este ano são o uso indevido do fogo (29%), a que estão associadas cerca de 2.659 ignições relativas a queimas e queimadas, seguido pelo incendiarismo (19%), que engloba a atuação dolosa e negligente em 1.740 ocorrências.

A GNR especifica também que registou, desde 01 de maio, mais de 2.629 autos de contraordenação por violação das normas vigentes, nomeadamente proteção do edificado, aglomerados populacionais e rede rodoferroviárias, queimas e queimadas e utilização de maquinaria.

Estas contraordenações foram levantadas depois da corporação ter realizado um plano de monitorização, sensibilização e fiscalização em que foram sinalizadas 10.946 situações em incumprimento nas mais de 1000 freguesias consideradas prioritárias em risco de incêndio.

Ainda no âmbito da prevenção, a GNR realizou 5.544 ações de sensibilização direcionadas a 74.358 pessoas com o objetivo da adoção de medidas de autoproteção e uso correto do fogo.

A GNR destaca igualmente a prioridade que dá à vigilância e detenção de incêndios, nomeadamente nas zonas mais suscetíveis de fogos, como é o caso da Rede Nacional de Postos de Vigia, cuja rede primária, constituída por 76 postos, foi ativada a 07 de maio e vai permanecer em funcionamento até 06 de novembro, enquanto a rede secundária, composta por 153 postos de vigia, esteve em atividade entre 29 de junho e 15 de outubro.

Esta força de segurança dispõe ainda de acesso a sistemas de videovigilância, com 120 câmaras, que cobrem atualmente uma área estimada de 5.000.000 hectares do território de Portugal continental, que são um “auxílio na deteção de incêndios nascentes e no apoio à investigação do crime de incêndio florestal identificando possíveis autores”, além de fazer patrulhamentos móveis e vigilância aérea com meios tripulados e não tripulados das Forças Armadas.

A agência Lusa pediu também à Polícia Judiciária dados sobre as detenções efetuadas este ano, mas até ao momento não obteve qualquer resposta.

No final de setembro, o ministro da Administração Interna, José Luís Carneiro, indicou no parlamento que a PJ tinha detido este ano 81 pessoas pelo crime de incêndio florestal.

Os incêndios rurais consumiram este ano 110.007 hectares, o valor mais elevado desde 2017, tendo sido o fogo da Serra da Estrela o que registou maior área ardida, com quase 25.000 hectares, segundo o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF).

O ICNF dá conta que, entre 01 de janeiro e 15 de outubro, ocorreram 10.449 incêndios rurais que resultaram em 110.007 hectares (ha) de área ardida, entre povoamentos (54.801 ha), matos (44.114 ha) e agricultura (11.092 ha).

Em comparação com o mesmo período de 2021, a área ardida mais do que triplicou, tendo as chamas consumido este ano mais 82.796 hectares, e os incêndios aumentaram 40%, ao registaram-se mais 2.997 fogos.

O ano de 2022 apresenta o quarto valor mais reduzido em número de incêndios e o quinto valor mais elevado de área ardida, desde 2012, de acordo com o ICNF.

Comentários

topo