Braga

Finanças de Braga com espera de 15 dias para atendimento de cidadãos revolta utentes

Partilhe esta notícia!

As repartições de finanças continuam a trabalhar, mesmo depois de retiradas todas as normas de contenção da Covid-19, por marcação antecipada.

O tempo de espera supera as duas semanas em muitas repartições e o Semanário V teve acesso a um depoimento de um cidadão que se deslocou hoje, 3 de novembro à repartição de finanças de Braga e ficou surpreso quando a sua marcação foi agendada para o dia 21 se novembro.

Depoimento na íntegra do cidadão Fernando Silva

“A experiência de semana de quatro dias arranca em 2023, esta é a noticia de hoje em quase todos os jornais.

No entanto, por aquilo que tenho visto e pela experiência sentida, para os funcionário das Finanças, 4 dias de trabalho seria o dobro do pretendido, ou seja, não pretendem fazer a ponta de um corno e ainda assim fazem perder tempo a quem trabalha.

Ainda hoje fui às Finanças em Braga e deparei-me com a porta principal encerrada, e uma mais ao canto lateral esquerdo, meia aberta, mas com um Sr. ali em frente a dar indicações a uma dezena de pessoas que só podiam entrar por marcação.

Era bem visível e audível o descontentamento por parte de todos que ali estavam, e enquanto esse Sr., encaminhou uma pessoa ao balcão, eu entrei, entrei porque a porta estava aberta, tirei a senha para efectuar um pagamento, e nesse instante ouço uma funcionária a dizer-me que tem que ser por marcação.

Olhei para o balcão de atendimento de uma ponta à outra e vejo só uma pessoa a ser atendida e meia dúzia de funcionários ali sentados a olhar uns para os outros.

Em resposta, à Sr. irritada, mais do que eu, disse que se estão ali a ser pagos com os impostos dos contribuintes e não querem fazer nada, a não ser virem para o local de trabalho coçar os tendões, que fiquem em casa e deem lugar a outros que queiram trabalhar, que cheio de parasitas já nós estamos neste podre e caduco Pais que mais se parece hoje com uma Venezuela, que o Portugal que todos conhecíamos.

De nada valeu a minha preocupação com o estado desta pobre Nação, agendou-me lá com as beiças torcidas para que eu volte dia 21 de Novembro para efectuar o devido pagamento que hoje podia ter sido feito; mas se nessa data me esquecer, ficará adiado lá só para o ano que vem.
Á saída ouvi da boca de alguns que muitos mais havia de haver como aquele Sr., referindo-se a mim.

Caso isto continue assim como está, até porque a Câmara de Braga opta pelo mesmo método, aconselho todos os comerciantes, principalmente aos que estão ligados à hotelaria, restauração e todo comércio alimentar etc. a fazerem o mesmo (Só por marcação) era uma boa lição a essa gente para ver se esses PARASITAS aprendiam a respeitar quem trabalha e lhes paga o ordenado ao fim do mês”.

Comentários

topo