Barcelos

Propagação ‘infestante’ de jacintos-de-água no Rio Cávado em Barcelos

(c) Bloco de Esquerda
Partilhe esta notícia!

No dia 7 de novembro, a Comissão Coordenadora Concelhia de Barcelos do Bloco de Esquerda dirigiu, através dos deputados municipais José Maria Cardoso e Miguel Martins, um conjunto de questões sobre a atual situação em que o Rio Cávado se encontra.

Nos últimos anos temos assistido à propagação de uma planta infestante, o jacinto-de-água, que faz com que as águas sejam cobertas por um manto de jacintos em pleno estado de eutrofização.

“Nesse sentido, questionamos o Executivo camarário, na pessoa do Sr. Presidente da Câmara, Mário Constantino, sobre um conjunto de aspetos relacionados com o estado em que o Rio Cávado se encontra, nomeadamente: o atual ponto de situação do Rio, e quais os meios e medidas de resposta imediata que o Município dará; que tipo de encargos estão plasmados no contrato firmado com a empresa Cifra Exótica Unipessoal que garanta cobertura de responsabilidade pela proliferação de jacintos-de-água e/ou outras plantas infestante; que programa de trabalho e de execução prática está planeado para o rio, em modo de intervenção estrutural; que explicação e justificação tem o executivo camarário a dar às e aos barcelenses. O Bloco de Esquerda lança ainda o repto à Câmara Municipal de Barcelos para que organize um debate alargado à sociedade civil (uma espécie de fórum de discussão técnica, científica e política), que se proponha a pensar a recuperação, preservação e devida utilização do rio. O Bloco de Esquerda considera ser necessário que, face a esta situação, a Câmara Municipal atue com urgência, devendo tomar medidas eficazes para a remoção de grande parte das plantas que estão a destruir o Rio Cávado e o seu ecossistema”, disse o Bloco de Esquerda.

Além disso, perante esta situação de extremo alarme, o Grupo Parlamentar do Bloco de Esquerda irá apresentar uma pergunta ao Governo, dirigida ao Ministério do Ambiente e da Ação Climática, que em breve será divulgada. Pretendemos saber se o Governo tem conhecimento do estado em que o Rio Cávado se encontra e que medidas tomará.

Comentários

topo