Mundo

Mísseis russos atingem Polónia e causam dois mortos

Partilhe esta notícia!

Um alto funcionário dos serviços de informações dos Estados Unidos disse hoje que mísseis russos caíram na Polónia, país membro da NATO, incidente que causou a morte a duas pessoas.

O porta-voz do Governo polaco, Piotr Mueller, não confirmou imediatamente esta informação, mas referiu que os principais líderes estavam a realizar uma reunião de emergência devido a uma “situação de crise”, noticiou a agência Associated Press (AP).

O primeiro-ministro polaco, Mateusz Morawiecki, convocou com urgência a Comissão de Segurança Nacional da Polónia após estes relatos, mas o porta-voz do Governo exortou os meios de comunicação a não publicarem “informações não confirmadas”.

“Qualquer informação apresentada à Comissão hoje será comunicada ao público posteriormente, na medida do possível”, garantiu, acrescentando que a decisão de convocar a reunião foi tomada em conjunto com o Presidente polaco, Andrzej Duda.

Esta reunião conta com a presença, além de Morawiecki, do ministro do Interior, Mariusz Kaminksi, do ministro dos Negócios Estrangeiros, Zbigniew Rau, do ministro da Justiça, Zbigniew Ziobro, do comandante dos setores operacionais das Forças Armadas e do chefe da polícia polaca.

De acordo com órgãos de comunicação polacos, duas pessoas morreram hoje à tarde, depois de um projétil ter atingido uma zona agrícola em Przewodów, uma vila polaca perto da fronteira com a Ucrânia.

A polícia e o Exército já estão presentes no local, segundo os ‘media’, que noticiaram também que os bombeiros confirmaram a ocorrência de explosões naquela localidade, noticiou a agência Efe.

De acordo com a Força Aérea ucraniana, a Rússia disparou hoje sobre as infraestruturas de produção de energia elétrica de várias regiões ucranianas “cerca de” 100 mísseis, causando cortes de eletricidade, além de ter atingido igualmente zonas residenciais e feito pelo menos um morto na capital ucraniana, Kiev.

Mais de sete milhões de habitações da Ucrânia estão sem eletricidade após os novos bombardeamentos russos.

A Moldova registou hoje “enormes cortes de eletricidade em todo o país”, depois dos ataques militares russos às infraestruturas energéticas da Ucrânia terem deitado abaixo um importante cabo de energia que alimenta a nação, indicou um responsável.

“Na sequência do bombardeamento russo ao sistema de produção de energia elétrica ucraniano, na última hora, um dos cabos elétricos que assegura o fornecimento de eletricidade ao nosso país foi desligado”, declarou o ministro das Infraestruturas moldovo, Andrei Spinu, num comunicado.

A ofensiva militar lançada a 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de mais de 13 milhões de pessoas – mais de seis milhões de deslocados internos e mais de 7,8 milhões para países europeus -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A invasão russa – justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia – foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas.

A ONU apresentou como confirmados desde o início da guerra 6.557 civis mortos e 10.074 feridos, sublinhando que estes números estão muito aquém dos reais.

Comentários

topo