Saúde

Fundação Portuguesa do Pulmão quer aumento do preço do tabaco

Partilhe esta notícia!

A Fundação Portuguesa do Pulmão (FPP) defendeu a necessidade de aumentar o preço do tabaco e ter uma lei menos permissiva, para travar os hábitos tabágicos, sobretudo nas camadas mais jovens.

Em declarações à Lusa a propósito dos dados do relatório do Observatório Nacional das Doenças Respiratórias (ONDR) 2022, que são hoje divulgados, José Alves destacou o facto de os hábitos tabágicos terem diminuído globalmente entre 2014 (20%) e 2019 (17%), mas manifestou alguma preocupação com as taxas de fumadores nos grupos etários mais baixos (15-24 anos).

“Os hábitos tabágicos condicionam a epidemiologia de duas doenças fundamentais em termos de qualidade de respiratória nacional: a DPOC [Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica] e o cancro do pulmão”, sublinhou o especialista, considerando “muito bom” que os valores globais estejam a cair.

“Não só não aumentou, como reduziu entre 2014 e 2019 nos homens e nas mulheres. Mostra que o país não está no pico. Depois de descer podemos esperar, em duas décadas, que comece a diminuir a prevalência do cancro do pulmão, que está a aumentar”, acrescentou.

José Alves diz que os hábitos tabágicos, além do sentimento de pertença (nas camadas mais jovens), estão muito relacionados com a desinformação e a falta de literacia da população e frisa que há dois momentos para ajudar a reduzir estes hábitos: “um é desde tenra idade, nunca começar a fumar, e outro é ter uma lei menos permissiva e aumentar o preço do tabaco”.

“Nunca ninguém viu alguém ser multado por estar a fumar em lado nenhum”, lamentou, sublinhando que, “apesar desta falta de efetividade [da lei]”, o hábito tabágico baixou.

Outro dos pontos destacados pelo presidente da FPP, que elaborou o relatório que é hoje apresentado no Porto, é a necessidade de reduzir os valores do subdiagnóstico, apostando nas espirometrias (exame que serve para diagnosticar a doença pulmonar).

Referiu ainda que menos de metade dos doentes referenciados com DPOC fez espirometria, insistindo na importância deste exame.

A este nível, destacou a iniciativa que a FPP desenvolveu, nos fins de semana de junho e julho, em todas as capitais de distrito do país, conseguindo fazer 1.200 tele-espirometrias: “Foi um rastreio em que havia dois objetivos: um era encontrar mais doentes com doença pulmonar obstrutiva crónica e o outro era demonstrar que é possível fazer muita espirometria sem sair da secretária e sem ser no hospital”.

“Podemos imaginar-nos daqui a dois, três ou cinco anos a ter uma visão muito mais assertiva do que é a saúde respiratória dos portugueses, dos que não fumam e dos que fumam, e poder prever os malefícios do tabaco”, acrescentou.

Esta iniciativa da FPP mostrou o efeito agressivo do hábito tabágico e a necessidade de fazer o diagnóstico o mais cedo possível.

Segundo os dados preliminares, os resultados para a função respiratória normal foram mais elevados nos não fumadores (83%), que apresentaram menor percentagem (4%) de casos de síndrome obstrutiva (8% nos fumadores).

“Ficou demonstrado também que há uma grande percentagem de obstrução das pequenas vias aéreas, que é a fase fisiopatológica que antecede a obstrução, a síndrome obstrutiva”, explicou José Alves.

Ao identificar essas pessoas, é possível “atuar nelas e, mais uma vez, alterar a epidemiologia da DPOC”, afirmou o pneumologista, insistindo que não adianta saber que existem cerca de 700.000 pessoas com DPOC se depois não se fizer nada e se ficar à espera que eles piorem.

“Todo este trabalho do rastreio do cancro do pulmão, da mama e do cólon é muito meritório, mas nós temos aqui um rastreio que pode e deve ser feito para a doença prevenível que mais mata em Portugal e em todo o mundo, que é a DPOC”, acrescentou o responsável, sublinhando que “uma espirometria destas custa o preço e dois maços de tabaco”.

No cancro do pulmão, José Alves destacou que os dados apontam para uma maior eficácia dos tratamentos – provando que “é cada vez mais uma doença crónica” -, pois os diagnósticos aumentaram 20%, passando de 4.424 (2018) para 5.208 (2019), mas a mortalidade manteve-se.

Na semana passada, o ministro da Saúde anunciou o alargamento do programa de rastreios oncológicos aos cancros do pulmão, da próstata e do estômago, que arrancarão no próximo ano com projetos-piloto.

“Agora, depende da resposta que depois se tem”, alertou José Alves, sublinhando: “O efeito do rastreio não é como o da mama, porque há nódulos que podem ser falsos positivos e falsos negativos, é preciso estudá-los e, no caso dos positivos, depois é preciso tratá-los, é preciso ir para a cirurgia”.

Comentários

topo