Viana do Castelo

Debate no IPVC de Viana do Castelo falou da importância da fitossanidade na vinha

(c) Direitos reservados
Partilhe esta notícia!

“Desafios da produção vitivinícola na sub-região Monção e Melgaço – fitossanidade” foi o tema central das jornadas, que decorreram na Escola Superior de Desporto e Lazer, do Instituto Politécnico de Viana do Castelo (ESDL-IPVC), e que juntou conhecimento científico e profissionais da área num debate que se relevou profícuo. A iniciativa aconteceu no âmbito do projeto NUTRIR – Núcleo Tecnológico para a Sustentabilidade Agroalimentar do – Centro de Investigação e Desenvolvimento em Sistemas Agroalimentares e Sustentabilidade (CISAS) do IPVC.
Trocar experiências e partilhar formas de atuação sobre produção vitivinícola. Foi este o tema central das jornadas “Desafios da produção vitivinícola na sub-região Monção e Melgaço – fitossanidade”, que decorreram na Escola Superior de Desporto e Lazer, do Instituto Politécnico de Viana do Castelo (ESDL-IPVC), em Melgaço.

A jornada de trabalho inseriu-se no NUTRIR – Núcleo Tecnológico para a Sustentabilidade Agroalimentar, projeto que nasceu com orientação científica do CISAS – Centro de Investigação e Desenvolvimento em Sistemas Agroalimentares e Sustentabilidade do IPVC.

A iniciativa contou com a presença da diretora Regional de Agricultura, Carla Alves, que reforçou “a importância da fitossanidade e da necessidade de os produtores darem cumprimento às medidas impostas pela DEGAV”, no que toca à gestão e ao controlo de algumas doenças, nomeadamente o míldio, o oídio, mas também outras pragas que têm causado sérios prejuízos aos produtores.

Durante as jornadas de trabalho sobressaíram ideias fundamentais para os produtores, destacando-se: reforço dos testes de eficácia das substâncias ativas disponíveis para a produção biológica, nomeadamente no controlo de míldio e oídio em produção biológica de vinha de casta Alvarinho, aposta na produção biológica, apesar dos desafios que isso poderá implicar, sem descorar o controlo da doença fúngica em videiras. “O sistema previsional, no caso da doença fúngica, tem em consideração dados meteorológicos e a fenologia da planta. Este sistema auxilia não só na tomada de decisão baseada na informação em tempo real como também permite avaliar a eficácia de tratamentos realizados”, destacavam os oradores, com um dos conselhos a não esquecer pelos produtores.

Conhecer a sintomatologia dos vírus da videira para o controlo de pragas foi outra das ideias veiculadas, com os responsáveis a defenderem a importância das boas práticas culturais na instalação e manutenção do vinhedo e na prevenção de incidência de vírus.

A rematar, o tema da incidência de flavescência dourada, problema que tem vindo a aumentar na região, com efeitos nefastos na produção e na manutenção dos vinhedos. A adoção de medidas profiláticas de controlo e prevenção da incidência da doença foi a ideia final a reter.

A par da troca de experiências e da partilha de formas de atuação no que toca à produção vitivinícola, na sessão ficou clara a importância do NUTRIR para o território e a relevância da proximidade entre o conhecimento científico, produzido nomeadamente no Politécnico de Viana do Castelo, e a produção primária, tão caraterística no Alto Minho.

Comentários

topo