Braga

PS diz que “não há memória de tanto buraco” nas estradas de Braga

(c) Direitos reservados
Partilhe esta notícia!

O vereador do PS na Câmara de Braga Artur Feio afirmou hoje que “não há memória de tanto buraco” nas estradas do concelho, sublinhando que nos últimos tempos “largas centenas” de automobilistas se têm queixado de danos nas viaturas.

“Não há memória de tanta perturbação, de tanto buraco. Há aqui qualquer coisa que não está bem”, referiu Artur Feio, sublinhando que os problemas se registam “em estradas tanto de grande circulação como de pequena, tanto mais centrais como menos centrais”.

Falando na reunião quinzenal do executivo, o socialista questionou a maioria liderada pelo social-democrata Ricardo Rio sobre que medidas estão pensadas para uma “intervenção rápida e efetiva” nestas situações.

Na resposta, o presidente da câmara referiu que no mandato anterior tinha sido aprovado um acordo-quadro para acorrer a estas intervenções, que acabou por ser anulado pelo Tribunal de Contas.

“Estamos a preparar um novo concurso”, acrescentou.

Ricardo Rio disse ainda que “não tem havido condições climatéricas” para reparar de imediato os estragos causados pela chuva que tem caído nos últimos tempos.

Numa anterior publicação nas redes sociais, o autarca já tinha dito que a principal razão para a “proliferação” de buracos nas vias é a intensidade das chuvas ocorridas nas últimas semanas, quer pela sua duração quer pela quantidade concentrada no tempo, “que provoca maior erosão nos pisos”.

“Naturalmente, o impacto é maior nas vias que já se encontravam mais fragilizadas”, adiantou.

Como exemplo, deu conta de que das 86 ocorrências participadas à PSP durante o mês de dezembro, 31 delas registaram-se na Avenida Frei Bartolomeu dos Mártires e 11 na Avenida Francisco Salgado Zenha (Variante Sul), seguindo-se as avenidas João XXI e da Liberdade.

Quanto à área de influência da GNR, destacou, nas 68 ocorrências registadas, a Avenida de Sequeira, a Rua de Mazagão (Aveleda), a Av. General Carrilho da Silva Pinto (Tenões) e a EN 205-4 (Mire de Tibães).

Rio lembrou que, em relação aos buracos, a Câmara, mais do que prevenir, “acaba por ter uma ação reativa, sempre que o tempo o permite”.

“De setembro a dezembro, a câmara registou 412 intervenções de reparação, com aplicação de betuminoso a frio, nas quais foram aplicadas mais de 90 toneladas de betuminoso”, disse ainda.

Vincou que, ao longo dos últimos anos, foram feitas e/ou lançadas obras nas vias na ordem dos 28 milhões de euros.

Comentários

topo