Braga

“Tratar o cancro por tu” decorre a 09 de fevereiro, em Braga

(c) Direitos reservados
Partilhe esta notícia!

O Instituto de Patologia e Imunologia Molecular da Universidade do Porto (Ipatimup) vai lançar a 2.ª edição da iniciativa “Tratar o cancro por tu”, que, em seis cidades, vai “falar com a população sobre avanços científicos” do cancro.

Em comunicado, o Ipatimup esclarece que, depois do “grande sucesso” da 1.ª edição, a iniciativa vai voltar a percorrer seis cidades, entre 19 de janeiro e 23 de março.

O objetivo da iniciativa é “informar sobre as terapias mais recentes no combate ao cancro, simplificar conceitos, alertar para o diagnóstico precoce e colocar os doentes no centro da discussão”.

O cancro do pulmão, da mama, do cólon, da próstata, da pele e os tumores pediátricos vão ser abordados na iniciativa, à qual se juntam alguns dos “melhores especialistas nacionais”, como o professor Manuel Sobrinho Simões.

A primeira sessão, dedicada aos tumores pediátricos, terá lugar no Porto, a 19 de janeiro, e a segunda, sobre o diagnóstico e tratamento do cancro da próstata, decorre a 09 de fevereiro, em Braga.

A cidade de Coimbra recebe a terceira sessão da iniciativa, a 16 de fevereiro, dedicada ao cancro do pulmão, e a 02 de março o Funchal recebe uma sessão sobre o cancro da mama.

Já o cancro da pele será debatido e discutido em Vila Real, a 16 de março, e o cancro do cólon em Évora, a 23 de março.

As seis sessões estão agendadas para as 18:30.

Citado no comunicado, um dos membros da direção do instituto, José Carlos Machado, esclarece que o intuito da iniciativa é “desconstruir alguns dogmas associados ao cancro”.

“É verdade que é uma doença que, por ano, mata mais de 10 milhões de pessoas em todo o mundo e mais de 28 mil em Portugal, mas o seu diagnóstico está longe de constituir uma sentença de morte. Na verdade, o diagnóstico precoce e a evolução no tratamento colocam-nos hoje numa situação em que a mortalidade associada ao cancro é inferior a 50%”, salienta.

O evento conta com a parceria da Antena1, RTP, a Roche Foundation Medicine e a Merck.

Comentários

topo