Braga

Distrital do PSD de Braga responsabiliza Governo pela saúde caótica no Distrito

Partilhe esta notícia!

O distrito de Braga tem sido notícia nos últimos tempos na Comunicação Social nacional e regional, pela má qualidade prestada aos seus munícipes na área da saúde. Da escassez de profissionais, ao encerramento temporário de serviços e mais recentemente até pela ‘visita’ inesperada da polícia judiciária às suas instalações, tudo tem catapultado o hospital de Braga para a agenda nacional da atualidade.
Apesar destes sucessivos acontecimentos, o que se tem verificado é que «o Governo socialista de António Costa tem ignorado de forma perniciosa, a exemplo do que acontece em outros setores, de fundamental importância para a população do distrito bracarense”, salienta Paulo Cunha, presidente da Distrital do PSD de Braga e vice-presidente da Nacional do partido.
Na opinião deste dirigente social-democrata, o ministro da Saúde, Manuel Pizarro, não desconhece, por certo, os problemas existentes na Saúde. Aliás, ainda recentemente o Bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, alertou, também, para a situação, insustentável que Braga vive nos últimos tempos, no que concerne ao atendimento e bem-estar dos utentes do distrito de Braga.
E se todas as áreas sociais são importantes, o bem-estar físico e psicológico dos cidadãos, bem como a existência de cuidados médicos disponíveis são de relevância vital o que leva «a Distrital do PSD de Braga a fazer este alerta para a prestação de assistência à população de saúde primários, tanto nos hospitais como nos cuidados continuados”, vincou Paulo Cunha.
O presidente da Distrital de Braga do PSD reivindica ainda a construção – há muito prometida pelo PS – do Hospital de Barcelos, bem como reabilitar as restantes unidades hospitalares como, por exemplo, a de Fafe, Guimarães e Famalicão.
«A grande preocupação do Governo foi terminar com a parceria público-privada que geria e tão bons resultados estava a produzir no Hospital de Braga. As consequências desta decisão, infelizmente, são bem visíveis para quem quotidianamente recorre a esta unidade hospitalar de saúde» sustenta Paulo Cunha.

Comentários

topo